SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.12 número1Avaliação das limitações de úlcera venosa em membros inferioresExperiência inicial com dispositivo de reversão de fluxo para proteção cerebral na angioplastia carotídea índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Jornal Vascular Brasileiro

versão impressa ISSN 1677-5449

Resumo

FIGUEIREDO, Marcondes  e  FIGUEIREDO, Matheus Fidelis. Pesquisa sobre escleroterapia líquida em varizes dos membros inferiores. J. vasc. bras. [online]. 2013, vol.12, n.1, pp.10-15. ISSN 1677-5449.  http://dx.doi.org/10.1590/S1677-54492013000100004.

INTRODUÇÃO: A escleroterapia é um dos procedimentos mais realizados pelos angiologistas e cirurgiões vasculares brasileiros. O princípio básico é eliminar a veia varicosa, destruindo a sua parede interna. No Brasil, há uma diversidade de condutas que envolvem este tratamento, principalmente quanto ao tipo de esclerosante, associação com laser, uso de luva durante o procedimento, tempo recomendado de repouso, exposição ao sol, prática de atividade física, uso de compressão pós-escleroterapia, entre outros. OBJETIVO: conhecer as mais variadas condutas e técnicas desta modalidade terapêutica, muito praticada entre os angiologistas brasileiros. MÉTODO: A pesquisa foi realizada entre angiologistas membros da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular - SBACV, que responderam um questionário sobre as técnicas e indicações da escleroterapia em varizes dos membros inferiores no Brasil. O link (www.iniciacaocientica.com.br/pne) foi disponibilizado com questões de múltipla escolha. RESULTADOS: Duzentos e trinta e dois médicos responderam ao questionário proposto. Luvas durante o procedimento são usadas por 79,74% dos médicos; a compressão é utilizada por 52,59%; quanto à atividade física pós-escleroterapia, 46,12% não restringem e 52,59% liberam após 1 a 3 dias; mecanismos para diminuir a dor durante o procedimento são utilizado por 43,53% dos entrevistados; a glicose 75% foi o esclerosante mais utilizado em 35,34%; a complicação sistêmica mais frequente foi a lipotimia com 7,76% e o local mais frequente foi a hipercromia com 66,38%; em relação à liberação para sol depois do procedimento: 28,02% liberam após a escleroterapia com filtro solar, 24,57% liberam após 15 a 30 dias e 25,43% liberam com menos de 15 dias. CONCLUSÃO: A pesquisa revelou que, apesar da escleroterapia ser amplamente utilizada na prática diária do angiologista brasileiro, há pouca concordância em pontos relevantes, como, por exemplo, o uso de compressão, liberação para atividade física e exposição ao sol.

Palavras-chave : varizes; escleroterapia; soluções esclerosantes.

        · resumo em Inglês     · texto em Português | Inglês     · Português ( pdf ) | Inglês ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons