SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.13 número3Morbimortalidade relacionada às infecções de ferida operatória ocasionadas por micro-organismos resistentes em cirurgias arteriaisPrescrições off-label em pé diabético índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Jornal Vascular Brasileiro

versão impressa ISSN 1677-5449versão On-line ISSN 1677-7301

Resumo

GAROFOLO, Luciana; FERREIRA, Sandra Roberta Gouvea  e  MIRANDA JUNIOR, Fausto. Biomarcadores inflamatórios circulantes podem ser úteis para identificar doença arterial obstrutiva periférica mais grave. J. vasc. bras. [online]. 2014, vol.13, n.3, pp.182-191. ISSN 1677-5449.  http://dx.doi.org/10.1590/jvb.2014.045.

Contexto:

Aterosclerose é doença multifatorial, cuja base fisiopatológica é um processo inflamatório. Estudos são controversos quanto ao papel dos biomarcadores como fatores de risco. A liberação de citoquinas durante aterogênese promove síntese hepática de proteína C-reativa (PCR), importante marcador inflamatório.

Objetivo:

Avaliamos se biomarcadores inflamatórios estavam associados à deterioração da doença arterial obstrutiva periférica (DAOP), em população de risco cardiovascular.

Métodos:

Estudo populacional sobre prevalência de diabetes, em que 1.330 indivíduos com ≥30 anos foram submetidos a exames clínico-laboratoriais. Diagnóstico de DAOP foi feito pelo índice tornozelo-braço (ITB) ≤0,90. Após exclusões, 1.038 indivíduos foram analisados. Fatores de risco tradicionais, PCR e interleucina 6 (IL-6) foram comparados também segundo três categorias de ITB (≤0,70; 0,71-0,90; ≥0,90). Valores médios das variáveis foram comparados segundo presença de DAOP (teste t Student) e categorias do ITB (ANOVA). Utilizou-se modelo de Poisson e regressão logística para avaliar associações da DAOP e categorias do ITB com fatores de risco. Estimou-se coeficiente de correlação linear de Pearson para relação entre os valores de PCR e IL-6.

Resultados:

A idade média foi 56,8±12,9 anos, 54% mulheres e prevalência de DAOP 21,0% (IC95% 18,4-24,1). Indivíduos com ITB ≤0,70 apresentaram maiores valores de PCR-us (2,1 vs. 1,8) e IL-6 (1,25 vs. 1,17. Apenas em portadores de DAOP, valores de PCR e IL-6 mostraram-se correlacionados (p=0,004).

Conclusão:

O achado de concentrações mais elevadas de PCR e IL-6 apenas em indivíduos com DAOP avançada pode sugerir um papel destes biomarcadores, indicando doença mais grave. Estudos prospectivos são necessários para testar esta hipótese.

Palavras-chave : aterosclerose; doença arterial periférica obstrutiva; biomarcadores.

        · resumo em Inglês     · texto em Português | Inglês     · Português ( pdf ) | Inglês ( pdf )