SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.13 número4Impacto da educação continuada na análise de imagens vasculares para planejamento endovascularBase eletrônica de dados dos aneurismas arteriais índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Jornal Vascular Brasileiro

versão impressa ISSN 1677-5449versão On-line ISSN 1677-7301

Resumo

OLIVEIRA, Alexandre Faraco de  e  OLIVEIRA FILHO, Horácio de. Perfil microbiológico e de resistência antimicrobiana no pé diabético infectado. J. vasc. bras. [online]. 2014, vol.13, n.4, pp.289-293. ISSN 1677-5449.  http://dx.doi.org/10.1590/1677-5449.0015.

Introdução:

As infecções no pé diabético são um problema de difícil solução, que costumam exigir internação hospitalar e expõem os pacientes ao risco de amputações. Determinar os patógenos mais prevalentes auxilia na escolha de antimicrobianos, podendo reduzir mutilações.

Objetivo:

Determinar o perfil microbiológico e a resistência a antimicrobianos em uma série de pacientes com pé diabético infectado.

Material e métodos:

estudo epidemiológico, retrospectivo e descritivo, através da análise de prontuários de pacientes diabéticos, com lesões plantares, submetidos a tratamento cirúrgico, num período de 24 meses, em um hospital público. Foram coletados dados referentes a idade, sexo, tempo de internamento, cultura da lesão, antimicrobianos utilizados, resistência bacteriana e cirurgias realizadas, com análise estatística da média e desvio padrão.

Resultados:

Em 66 internações de pacientes diabéticos, na maioria de idosos (77%), o tempo de internação variou de 02 a 29 dias, com média de 12,42; exigiram-se 91 procedimentos cirúrgicos, resultando algum tipo de amputação em 65% dos casos. O grupo de bactérias mais frequente foi das enterobactérias (47%), seguido por estafilococos (27%). Três pacientes (4,5%) apresentaram germes multirresistentes. Dentre os antimicrobianos utilizados, a clindamicina foi o que apresentou resistência no maior número de vezes, em 39 internações (59%), seguido da cefalexina, em 24 internações (36%).

Conclusões:

As infecções no pé diabético estiveram mais relacionadas a germes encontrados na comunidade, em especial os enterococcus. A resistência bacteriana foi bastante ampla, sendo mais comumente associada a drogas de uso oral, em particular clindamicina e cefalexima.

Palavras-chave : pé diabético; farmacorresistência bacteriana; complicações do diabetes.

        · resumo em Inglês     · texto em Português | Inglês     · Português ( pdf ) | Inglês ( pdf )