SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.14 número1Ablação térmica por radiofrequência versus safenectomia convencionalAvaliação da confiabilidade entre os critérios subjetivos e objetivos utilizados para o diagnóstico de linfedema nos membros superiores e inferiores índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Jornal Vascular Brasileiro

versão impressa ISSN 1677-5449

Resumo

ESPIRITO SANTO, Thiago Melo do et al. Anatomia tomográfica da veia cava e das veias renais: aspectos relevantes para implante de filtro de veia cava. J. vasc. bras. [online]. 2015, vol.14, n.1, pp.10-15. ISSN 1677-5449.  http://dx.doi.org/10.1590/1677-5449.20130106.

CONTEXTO:

Há uma demanda crescente por procedimentos invasivos que abordam a veia cava inferior, especialmente o implante de filtros de veia cava. A identificação da veia renal mais caudal para a liberação segura do filtro nem sempre é fácil durante a cavografia.

OBJETIVOS:

Estabelecer parâmetros da relação das veias renais e da cava infrarrenal com o corpo vertebral correspondente, sua relação com a biotipologia, presença de variações anatômicas, relação dos corpos vertebrais com a bifurcação das veias ilíacas comuns para a veia cava e distância desta bifurcação até a desembocadura da veia renal mais caudal, visando à implantação de filtro de veia cava.

MÉTODOS:

Foram analisadas 150 tomografias computadorizadas de abdome no período entre outubro e novembro de 2011, tendo sido agrupadas de acordo com o biotipo apresentado (ângulo de Charpy). As tomografias forem realizadas na MEDIMAGEM e analisadas no Serviço de Cirurgia Vascular Integrada, ambas da Beneficência Portuguesa de São Paulo.

RESULTADOS:

Dos 150 exames analisados, 127 (84,66%) apresentaram a emergência da veia renal mais caudal desde a projeção do primeiro espaço intervertebral lombar (L1-L2) até o corpo de L2, independentemente do biotipo do paciente. Somente 23 pacientes (15,33%) apresentaram a desembocadura da veia renal mais caudal abaixo do corpo de L2, ou seja, na projeção do espaço entre L2 e L3.

CONCLUSÕES:

A correlação radiológica da confluência da veia renal mais distal em relação aos corpos vertebrais apresenta pouca variação, independentemente do biotipo do paciente.

Palavras-chave : veias renais; veia cava inferior; vértebras lombares; anatomia; radiologia; biotipologia.

        · resumo em Inglês     · texto em Português | Inglês     · Português ( pdf ) | Inglês ( pdf )