SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.10 issue3Dementia Rating Scale psychometric study and its applicability in long term care institutions in BrazilRelation of neck circumference and relative muscle strength and cardiovascular risk factors in sedentary women author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Einstein (São Paulo)

Print version ISSN 1679-4508

Abstract

BERGAMO, Angela Mendes et al. Polipectomia endometrial histeroscópica: tratamento ambulatorial versus convencional. Einstein (São Paulo) [online]. 2012, vol.10, n.3, pp. 323-328. ISSN 1679-4508.  http://dx.doi.org/10.1590/S1679-45082012000300012.

OBJETIVO: Comparar resultados da polipectomia histeroscópica endometrial efetuada ambulatorialmente, sem anestesia, com polipectomia histeroscópica convencional sob anestesia, em centro cirúrgico, avaliando taxa de sucesso, tempo de procedimento e complicações. Mensurar dor aferida pela paciente nos dois grupos. MÉTODOS: Estudo transversal observacional de 60 pacientes com diagnóstico histeroscópico de pólipo endometrial divididas em dois grupos: Grupo Ambulatorial, composto por pacientes submetidas à polipectomia histeroscópica ambulatorial, utilizando-se pinça endoscópica em histeroscópio operatório ambulatorial de fluxo contínuo, por meio de vaginoscopia sem anestesia, e Grupo Convencional com pacientes submetidas à polipectomia histeroscópica em centro cirúrgico, utilizando-se ressectoscópio monopolar sob anestesia. RESULTADOS: Os grupos foram similares quanto a idade, paridade, tipo de parto e presença ou não de menopausa. Ambos os grupos apresentaram 100% de eficácia na exérese dos pólipos. O tempo médio de procedimento foi de 7 minutos no Grupo Ambulatorial e 35,16 minutos no Grupo Convencional. No Grupo Ambulatorial, as pacientes após a menopausa (p=0,04) e aquelas com pólipos >1cm (p=0,01) apresentaram tempo de procedimento maior. Durante o procedimento,a média de dor referida pelas pacientes, segundo a Escala Analógica Verbal de Dor, no Grupo Ambulatorial, foi de 2,93 e, após efeito anestésico do procedimento no Grupo Convencional, foi de 1,42 pontos. Não houve complicações no Grupo Ambulatorial. No Grupo Convencional, registraram-se um caso de perfuração uterina e um de falso trajeto. CONCLUSÃO: A polipectomia histeroscópica realizada em regime ambulatorial, sem anestesia, é um procedimento bem tolerado. Quando comparada ao tratamento convencional, apresenta a mesma eficácia, porém com menor tempo gasto no procedimento e menor índice de complicações.

Keywords : Pólipos; Histeroscopia; Medição da dor; Procedimentos cirúrgicos ambulatoriais; Endométrio; Anestesia.

        · abstract in English     · text in English | Portuguese     · pdf in English | Portuguese