SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.18Pharmaceutical intervention in the rational use of intravenous omeprazoleMagnetic hyperthermia therapy in glioblastoma tumor on-a-Chip model author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Einstein (São Paulo)

Print version ISSN 1679-4508On-line version ISSN 2317-6385

Abstract

ALVARENGA, Frederico de Lima; HADDAD, Leonardo; SILVA, Daniel Marcus San da  and  ALVARENGA, Eliézia Helena de Lima. Comportamento do médico diante da não aceitação de restrição da via oral pelo paciente disfágico com risco de aspiração laringotraqueal. Einstein (São Paulo) [online]. 2020, vol.18, eAO4952.  Epub Jan 10, 2020. ISSN 1679-4508.  https://doi.org/10.31744/einstein_journal/2020ao4952.

Objetivo:

Definir o comportamento médico diante de paciente idoso disfágico com risco de aspiração laringotraqueal e mentalmente capaz que não aceita a restrição da via oral.

Métodos:

Estudo observacional, transversal. Apresentamos um caso clínico de idoso, que vive independente, com queixas clínicas e videoendoscopia da deglutição comprovando disfagia e aspiração, que recusou a proposta de restrição da via oral. Um questionário foi aplicado sobre o processo de decisão do paciente, procurando avaliar se o médico torna-se solidário, e que justifique sua resposta, e se tem ciência da hierarquia dos princípios éticos (reconhecimento do valor da pessoa, autonomia, beneficência, não maleficência e justiça), no processo de decisão e qual o principal princípio que norteia sua decisão.

Resultados:

Cem participantes foram classificados por tempo de formados em Grupo I (até 10 anos) e Grupo II (mais de 10 anos). Deles 60% tornaram-se solidários à decisão do paciente, sem diferença entre os grupos. O principal argumento foi a autonomia do paciente nos dois grupos. Entre os não solidários, foi o binômio beneficência e não maleficência, e o balanço do risco/benefício e malefício. Considerando a ciência sobre a hierarquia dos princípios que regem a decisão, não encontramos diferença entre eles. A autonomia foi o principal princípio na decisão entre os solidários e a justiça entre os não solidários.

Conclusão:

O médico foi solidário à decisão do paciente em respeito à sua autonomia, apesar dos riscos ponderados da beneficência e da maleficência, inclusive de morte. Propomos o termo de recusa de conduta formalizada.

Keywords : Transtornos de deglutição; Bioética; Disfagia; Idoso; Autonomia pessoal.

        · abstract in English     · text in English | Portuguese     · English ( pdf ) | Portuguese ( pdf )