SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.60 issue1Subtidal soft-bottom macroinvertebrate communities of the Canary Islands. An ecological approachImpact on a fish assemblage of the maintenance dredging of a navigation channel in a tropical coastal ecosystem author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Brazilian Journal of Oceanography

Print version ISSN 1679-8759

Abstract

MIRANDA, Luiz Bruner de et al. Circulation and salt intrusion in the Piaçaguera Channel, Santos (SP). Braz. j. oceanogr. [online]. 2012, vol.60, n.1, pp. 11-23. ISSN 1679-8759.  http://dx.doi.org/10.1590/S1679-87592012000100002.

A análise de dados termohalinos e correntes medidos em uma estação fixa no Canal de Piaçaguera (Estuário de Santos) no inverno foi feita em termos de condições cíclicas da maré (quadratura e sizígia) e quase-estacionária, com o objetivo de caracterizar a estratificação da massa de água estuarina, sua circulação e transporte de sal forçados pela modulação quinzenal da maré. Foram utilizados métodos clássicos de análise de dados observacionais horários e quase sinóticos e de simulações analíticas de perfis estacionários de salinidade e do componente longitudinal da velocidade. Durante o ciclo de maré de quadratura as velocidades de enchente (v<0) e vazante (v>0) variaram de -0.20 m/s a 0.30 m/s, associadas à pequena variação de salinidade entre a superfície e o fundo (26.4 psu a 30.7 psu). No ciclo de sizígia a velocidade aumentou de -0.40 m/s a 0.45 m/s, mas a estratificação de salinidade permaneceu praticamente a mesma. Os perfis estacionários teóricos de salinidade e de velocidade apresentaram boa concordância (Skill próximo a 1,0) quando comparados aos perfis observacionais. Durante a modulação quinzenal da maré não houve alteração na classificação do canal estuarino (tipo 2a-parcialmente misturado e fracamente estratificado), pois a taxa de aumento da energia potencial não foi suficiente para ocasionar a erosão da haloclina. Esses resultados, associados à alta estabilidade vertical (RiL >20) e ao número de Richardson estuarino (1,6), permitem as seguintes conclusões: i) o mecanismo que forçou a circulação e os processos de mistura foi principalmente o balanço da descarga fluvial com a maré, associado ao componente baroclínico da força de gradiente de pressão; ii) não houve variações nas principais características termohalinas e da circulação devido à modulação quinzenal da maré; e iii) os perfis quase estacionários de salinidade e da velocidade foram adequadamente simulados com um modelo analítico clássico.

Keywords : Propriedades termohalinas; Circulação; Perfis teóricos-observacionais; Transporte de sal; Estratificação.

        · abstract in English     · text in English     · pdf in English