SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.13 issue4Pain and analgesia in patients with acquired immunodeficiency syndromeDental pain associated with socioeconomic status, psychosocial factors and oral health author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista Dor

Print version ISSN 1806-0013

Abstract

GIANCOLI, Lívia Gabriela Truvilho et al. Palestra e manual sobre tratamento da dor, não alteraram a prescrição de analgésicos no pós-operatório de cirurgias ginecológicas. Rev. dor [online]. 2012, vol.13, n.4, pp.338-342. ISSN 1806-0013.  https://doi.org/10.1590/S1806-00132012000400006.

JUSTIFICATIVA E OBJETIVOS: O planejamento da analgesia no tratamento da dor aguda pós-operatória é fundamental para o seu controle efetivo, pois quando não tratada acarreta alterações nocivas ao organismo. Este estudo teve como objetivo analisar a mudança na prescrição de analgésicos no período pós-operatório de cirurgias ginecológicas antes e após a apresentação de simpósio e o fornecimento de manual sobre tratamento da dor. MÉTODO: Estudo prospectivo com 72 pacientes, com idade entre 18 e 80 anos, submetidas à cirurgias ginecológicas, avaliando a efetividade da analgesia pós-operatória pela aplicação da escala numérica da dor e análise da prescrição dos analgésicos, antes e após a apresentação de palestra e o fornecimento de manual sobre tratamento da dor pós-operatória, para os médicos assistentes, residentes e internos da Clínica de Ginecologia de um hospital escola de médio porte. RESULTADOS: A intensidade da dor na 1ªh de pós-operatório foi de 3,62 ± 2,48 no grupo 1; 3,62 ± 3,65 no grupo 2; 2,58 ± 1,93 no grupo 3 (p = 0,33). Na 12ah, a intensidade da dor foi de 3,62 ± 2,28, no grupo 1; 3,91 ± 3,26, no grupo 2; 3,50 ± 2,14, no grupo 3 (p = 0,85). Na 24ah, a média da intensidade da dor foi de 2,35 ± 1,98, no grupo 1; 3,70 ± 2,75, no grupo 2; 2,95 ± 1,65, no grupo 3 (p = 0,12). Na 48ah, a média da intensidade variou de 3,00 ± 1,82, no grupo 1; 3,44 ± 1,81, no grupo 2; 3, 33 ± 1,36, no grupo 3 (p = 0,90). Conforme observado, não houve diferenças estatisticamente significantes entre as etapas na 1ª, 12ª, 24ª e 48ªh pós-operatória. CONCLUSÃO: A intervenção proposta não gerou alterações estatisticamente significantes, porém a combinação analgésica multimodal utilizada proporcionou  analgesia adequada.

Keywords : Analgesia; Avaliação da dor; Cirurgia; Ginecologia.

        · abstract in English     · text in English | Portuguese     · English ( pdf ) | Portuguese ( pdf )

 

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License