SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.16 número3Avaliação da dor do recém-nascido através da escala Codificação da Atividade Facial Neonatal durante o exame de gasometria arterialCondutas clínicas e satisfação diante da analgesia em vítimas de trauma com dor intensa índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista Dor

versão impressa ISSN 1806-0013versão On-line ISSN 2317-6393

Resumo

RODRIGUES, Carolina Almeida; MAGRI, Lais Valencise; MELCHIOR, Melissa de Oliveira  e  MAZZETTO, Marcelo Oliveira. Avaliação do impacto na qualidade de vida de pacientes com disfunção temporomandibular. Rev. dor [online]. 2015, vol.16, n.3, pp.181-185. ISSN 2317-6393.  http://dx.doi.org/10.5935/1806-0013.20150036.

JUSTIFICATIVA E OBJETIVOS:

Dores crônicas, como as disfunções temporomandibulares, levam com frequência a alterações significativas na qualidade de vida. O objetivo deste estudo foi avaliar a influência da disfunção temporomandibular na percepção subjetiva da qualidade de vida, obtida por meio do Oral Health Impact Profile-14.

MÉTODOS:

Oitenta pacientes diagnosticados com disfunção temporomandibular por meio dos critérios do Research Diagnostic Criteria for Temporomandibular Disorders, com idade entre 18 e 60 anos (32,71±11,1), foram submetidos ao questionário Oral Health Impact Profile-14. Empregaram-se a estatística não paramétrica de Mann-Whitney, teste de Correlação de Pearson e Análise de Variância e teste de Tukey, adotando-se 5% como nível de significância.

RESULTADOS:

Não houve diferença estatisticamente significativa quanto à percepção do impacto na qualidade de vida entre os gêneros; pacientes com associação de sinais e sintomas dos três grupos do Research Diagnostic Criteria for Temporomandibular Disorders apresentaram maior impacto na qualidade de vida, assim como, quanto maior a gravidade da disfunção temporomandibular maior é o impacto relatado (p=0,05) e a faixa etária com maior impacto na qualidade de vida encontrava-se entre 18 e 30 anos (p<0,01).

CONCLUSÃO:

O aumento da idade, a gravidade e a associação de diagnósticos exacerbaram o impacto da disfunção temporomandibular na qualidade de vida. As variáveis analisadas neste estudo relacionam-se com a cronicidade da disfunção temporomandibular, ressaltando a importância de estratégias de intervenção precoce para minimizar o comprometimento da qualidade de vida.

Palavras-chave : Dor crônica; Qualidade de vida; Síndrome da disfunção da articulação temporomandibular.

        · resumo em Inglês     · texto em Português | Inglês     · Português ( pdf ) | Inglês ( pdf )