SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.44 número1Variabilidade espacial de atributos do solo em sistema de semeadura direta com rotação de culturas no cerrado brasileiroVariabilidade espacial de atributos químicos de um Latossolo Vermelho-Amarelo cultivado em plantio direto índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista Ciência Agronômica

versão On-line ISSN 1806-6690

Resumo

GUIMARAES, Salomão Lima; BALDANI, Vera Lúcia Divan  e  JACOB-NETO, Jorge. Viabilidade do inoculante turfoso produzido com bactérias associativas e molibdênio. Rev. Ciênc. Agron. [online]. 2013, vol.44, n.1, pp.10-15. ISSN 1806-6690.  http://dx.doi.org/10.1590/S1806-66902013000100002.

Dentre os veículos de inoculação de bactérias diazotróficas, o turfoso é considerado o mais utilizado no Brasil. A turfa possibilita a viabilidade de um grande número de células, protegendo-as também das adversidades do solo. O objetivo deste trabalho foi avaliar a viabilidade do inoculante turfoso desenvolvido com bactérias diazotróficas associativas e molibdênio. As bactérias BR11417 (Herbaspirillum seropedicae) e BR11340 (Burkholderia sp.), foram multiplicadas por um período de 24 horas e uma alíquota de 10 mL com 108 cel. mL-1 foi transferida para sacos de polipropileno contendo 35 g de turfa. Foram adicionadas duas doses e duas fontes de molibdênio: 1,12 e 2,25 g de molibdato de sódio e de amônio, respectivamente. Como controle, foi utilizado o inoculante sem molibdênio. A legislação brasileira, por meio da lei n° 86955, especifica que os inoculantes comerciais à base de micro-organismos fixadores de nitrogênio apresentem concentrações mínimas de 108 células viáveis por grama do produto no momento do uso e que a viabilidade das células seja mantida por um período mínimo de seis meses. Este estudo mostrou que sem a adição do molibdênio ao inoculante, as bactérias sobreviveram com um número de células viáveis em torno de 108 células g-1 de inoculante, por um período de até 110 dias. Com a adição do molibdênio, o inoculante manteve-se viável por um período de 180 dias. A aplicação do molibdênio contribui para o aumento da viabilidade do inoculante turfoso produzido com as estirpes BR11417 e BR11340.

Palavras-chave : Bactérias; Inoculação; Molibdênio.

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · Português ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons