SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.18 número2Associação entre parâmetros radiográficos e clínicos durante a terapia de manutenção periodontal em lesões de furca classe IIInformações atuais sobre a caracterização das fissuras orofaciais no Brasil índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Brazilian Oral Research

versão On-line ISSN 1807-3107

Resumo

VERGANI, Solange Alonso; SILVA, Emílio Barbosa e; VINHOLIS, Adriana Helena  e  MARCANTONIO, Rosemary Adriana Chiérici. Utilização sistêmica do metronidazol no tratamento da doença periodontal crônica: estudo piloto sobre avaliação clínica, microbiológica e enzimática. Braz. oral res. [online]. 2004, vol.18, n.2, pp.121-127. ISSN 1807-3107.  http://dx.doi.org/10.1590/S1806-83242004000200006.

O objetivo do presente estudo paralelo, duplo-cego foi o de avaliar os efeitos do uso do metronidazol sistêmico, associado ou não à raspagem e ao alisamento radicular, sobre a doença periodontal crônica do adulto, observados inicialmente, aos 30, 60 e 90 dias. Foram selecionados 12 pacientes, distribuídos em 3 grupos: o primeiro grupo (Grupo I - 22 sítios) foi submetido a raspagem e alisamento radicular (RAR) somente; o segundo grupo (Grupo II - 30 sítios) recebeu RAR e 250 mg de metronidazol (3 X/dia, durante 10 dias); o terceiro grupo (Grupo III - 31 sítios) foi tratado somente com metronidazol. Os parâmetros clínicos avaliados foram profundidade de sondagem (PS), nível de inserção clínica (NI), índices de placa (IPl) e gengival (IG) e sangramento à sondagem (SS). Os pacientes foram submetidos, ainda, à análise microbiológica (BANA) e enzimática ("Pocket Watch"). Os três tratamentos propostos melhoraram significativamente as condições clínicas dos pacientes no início, e nos períodos de 30, 60 e 90 dias, exceto para o nível de inserção clínica. As análises microbiológica e enzimática não apresentaram diferença estatística entre os três grupos para o período de 90 dias (r = 0,7924 e r = 0,7757, respectivamente). Já nos parâmetros clínicos, encontrou-se diferença estatística somente para o índice gengival (p = 0,0261) entre os Grupos I e II e, para a profundidade de sondagem, (p = 0,0124) entre o Grupo I e os outros grupos. Pode-se concluir que o uso do metronidazol sistêmico não produziu efeitos adicionais na microbiota desses pacientes com doença periodontal crônica.

Palavras-chave : Doenças periodontais; Metronidazol; Aspartato aminotransferase.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf epdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons