SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.18 número2Associação entre parâmetros radiográficos e clínicos durante a terapia de manutenção periodontal em lesões de furca classe IIInformações atuais sobre a caracterização das fissuras orofaciais no Brasil índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Brazilian Oral Research

versão On-line ISSN 1807-3107

Resumo

VERGANI, Solange Alonso; SILVA, Emílio Barbosa e; VINHOLIS, Adriana Helena  e  MARCANTONIO, Rosemary Adriana Chiérici. Utilização sistêmica do metronidazol no tratamento da doença periodontal crônica: estudo piloto sobre avaliação clínica, microbiológica e enzimática. Braz. oral res. [online]. 2004, vol.18, n.2, pp. 121-127. ISSN 1807-3107.  http://dx.doi.org/10.1590/S1806-83242004000200006.

O objetivo do presente estudo paralelo, duplo-cego foi o de avaliar os efeitos do uso do metronidazol sistêmico, associado ou não à raspagem e ao alisamento radicular, sobre a doença periodontal crônica do adulto, observados inicialmente, aos 30, 60 e 90 dias. Foram selecionados 12 pacientes, distribuídos em 3 grupos: o primeiro grupo (Grupo I - 22 sítios) foi submetido a raspagem e alisamento radicular (RAR) somente; o segundo grupo (Grupo II - 30 sítios) recebeu RAR e 250 mg de metronidazol (3 X/dia, durante 10 dias); o terceiro grupo (Grupo III - 31 sítios) foi tratado somente com metronidazol. Os parâmetros clínicos avaliados foram profundidade de sondagem (PS), nível de inserção clínica (NI), índices de placa (IPl) e gengival (IG) e sangramento à sondagem (SS). Os pacientes foram submetidos, ainda, à análise microbiológica (BANA) e enzimática ("Pocket Watch"). Os três tratamentos propostos melhoraram significativamente as condições clínicas dos pacientes no início, e nos períodos de 30, 60 e 90 dias, exceto para o nível de inserção clínica. As análises microbiológica e enzimática não apresentaram diferença estatística entre os três grupos para o período de 90 dias (r = 0,7924 e r = 0,7757, respectivamente). Já nos parâmetros clínicos, encontrou-se diferença estatística somente para o índice gengival (p = 0,0261) entre os Grupos I e II e, para a profundidade de sondagem, (p = 0,0124) entre o Grupo I e os outros grupos. Pode-se concluir que o uso do metronidazol sistêmico não produziu efeitos adicionais na microbiota desses pacientes com doença periodontal crônica.

Palavras-chave : Doenças periodontais; Metronidazol; Aspartato aminotransferase.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · pdf em Inglês