SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.47 número2Análise lexical do Código de Ética OdontológicaPercepção de dentistas, estudantes de odontologia e pacientes sobre a estética dentogengival índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista de Odontologia da UNESP

versão impressa ISSN 0101-1774versão On-line ISSN 1807-2577

Resumo

FREITAS, George Borja de; FREITAS E SILVA, Alessandra de; MANHAES JUNIOR, Luiz Roberto Coutinho  e  JUNQUEIRA, José Luiz Cintra. Avaliação da prevalência e classificação dos canais mandibulares bífidos em exames de TCFC nos diferentes tipos faciais. Rev. odontol. UNESP [online]. 2018, vol.47, n.2, pp.85-91.  Epub 26-Abr-2018. ISSN 0101-1774.  http://dx.doi.org/10.1590/1807-2577.10617.

Objetivo

O presente trabalho objetiva verificar a prevalência e classificação das alterações do canal da mandíbula por meio de exames de tomografia computadorizada de feixe cônico nos diferentes tipos faciais. O trabalho foi submetido e aprovado ao comitê de ética e pesquisa através do parecer n˚ 2.065.839.

Material e método

A amostra foi composta por 90 tomografias, divididas em três grupos de acordo com os tipos faciais, braquicefálico, dólicocefálico e mesocefálico. Todas as imagens foram obtidas no banco de dados da Faculdade São Leopoldo Mandic, Campinas-SP.

Resultado

Dos 90 pacientes pesquisados, 23 apresentaram os canais da mandíbula bífidos, ou seja, 25,6% da amostra total. Desses, 60,9% pertenciam ao sexo masculino e 39,1% ao sexo feminino. Em 39,1% o direcionamento era para região retromolar (classe D), enquanto em 21,7%, a trajetória era no sentido alveolar ou superior (classe C). Com menor proporção, 13,1% foi constatada a classificação C-E. Para as demais classificações encontradas (A, E, F e A-E), as frequências foram na faixa de 8,7% a 4,3%. Em nenhum dos 23 casos de bifurcação do canal da mandíbula foi encontrada classificação (B), ou seja, em direção mesial.

Conclusão

De acordo com os resultados obtidos nesse estudo, encontrou-se uma prevalência de 25,6% de canais da mandíbula bífidos, o tipo de canal bífido mais prevalente foi classe D para região retromolar e a maior ocorrência dos canais mandibulares bífidos foi unilateral esquerda. Quando avaliada a ocorrência dos canais da mandíbula bífidos em relação aos tipos faciais, os pacientes braquifaciais foram os mais acometidos.

Palavras-chave : Cirurgia; anatomia; mandíbula.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )