SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.60 issue6Accuracy of magnetic resonance in identifying traumatic intraarticular knee lesionsPerceptions of patients about cataract author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Clinics

Print version ISSN 1807-5932On-line version ISSN 1980-5322

Abstract

WOLOSKER, Nelson et al. Agressão externa aos membros inferiores como fator preditivo na evolução dos pacientes submetidos a revascularização arterial. Clinics [online]. 2005, vol.60, n.6, pp.451-454. ISSN 1980-5322.  https://doi.org/10.1590/S1807-59322005000600004.

OBJETIVO: Diversos fatores preditivos de evolução de enxertos arteriais em pacientes com isquemia grave foram definidos em estudos clínicos como diabetes mellitus, insuficiência renal, fumo e vasão distal. O objetivo deste estudo foi verificar se pacientes com isquemia grave submetidos a revascularização nos quais as lesões apareceram espontaneamente apresentam evolução diferente daquela em que as lesões apareceram após uma agressão externa ao membro. MÉTODOS: De fevereiro de 2002 a janeiro de 2004, 100 pacientes submetidos a revascularizações infra-inguinais foram seguidos. Eles foram divididos em 2 grupos: 1) Grupo com lesão espontânea (52 pacientes), que compreendia pacientes apresentando lesões isquêmicas de origem espontânea e 2) Grupo de lesão por agressão externa (48 pacientes) que compreendia pacientes em que um mecanismo externo era identificado como causa do aparecimento da lesão isquêmica. As variáveis analisadas foram salvamento de membro e índices de perviedade dos enxertos. RESULTADOS: Pacientes com lesão espontânea apresentam índices de salvamento de membro e perviedade do enxerto significativamente menores que pacientes com lesões secundárias a agressão externa (42,3% x 87,5%, respectivamente para ambos itens de estudo;p<0,01). CONCLUSÕES: A ausência de agressão externa para o aparecimento de lesões tróficas em membros inferiores isquêmicos é fator prognóstico de pior evolução tanto para o funcionamento dos enxertos como para o salvamento do membro nos pacientes submetidos a revascularizações infra-inguinais. No entanto esse fator não é suficiente para definir uma conduta médica, visto que metade dos pacientes que apresentaram lesão espontânea também tiveram boa evolução. O fator prognóstico deve ser usado como todos os outros - para oferecer aos pacientes e aos médicos uma idéia melhor sobre a possível evolução do caso.

Keywords : Claudicação intermitente; Dor isquêmica de repouso; Artéria femoral; História natural; Fator de risco.

        · abstract in English     · text in English     · English ( pdf )

 

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License