SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.61 issue3Objective evaluation of upper limb claudication: use of isokinetic dynamometryTumor-infiltrating CD4+ T lymphocytes in early breast cancer reflect lymph node involvement author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Clinics

Print version ISSN 1807-5932On-line version ISSN 1980-5322

Abstract

RUANO, Rodrigo et al. Diagnóstico pré-natal e evolução perinatal de 38 casos de hérnia diafragmática congênita: 8 anos de experiência de um serviço terciário brasileiro. Clinics [online]. 2006, vol.61, n.3, pp.197-202. ISSN 1807-5932.  http://dx.doi.org/10.1590/S1807-59322006000300003.

OBJETIVO: Avaliar os resultados neonatais dos casos de hérnia diafragmática congênita com diagnóstico pré-natal. PACIENTES E MÉTODOS: De janeiro de 1995 a dezembro de 2003 foram revisados os dados de 38 fetos com hérnia diafragmática diagnosticada durante o período pré-natal na Unidade de Medicina Fetal do Departamento de Obstetrícia e Ginecologia da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Os dados pré-natais analisados foram: idade gestacional no diagnóstico, cariótipo fetal, lado da lesão, presença de malformação estrutural associada, herniação hepática e desvio garve de mediastino. Os dados perinatais foram avaliados consultando os prontuários médicos ou por contato telefônico. RESULTADOS: A idade gestacional média no diagnóstico foi de 29 semanas (16-37). Trinta (79%) casos apresentavam lesão à esquerda e 8 (21%) à direita. Malformações estruturais associadas foram observadas em 21 (55%) casos, dos quais 12 fetos apresentaram cariótipo normal, enquanto 9 exibiram anomalias cromossômicas. Hérnia diafragmática isolada foi identificada em 17 (457%) casos. A taxa de mortalidade geral foi de 92%. A taxa de óbito fetal, neomorto precoce, neomorto tardio e sobrevivente após 28 dias de vida foram respectivamente: (i) para o grupo com malformação estrutural associada e cariótipo normal, de 42%, 50%, 0% e 8%; (ii) para os casos com cromossomopatia, de 56%, 44%, 0% e 0%; (iii) para os casos com lesões isoladas de 0%, 76%, 12% e 12%. Na hérnia diafragmática congênita isolada, a mortalidade neonatal foi de 88%. CONCLUSÃO: Em nosso serviço, a mortalidade perinatal nos casos de hérnia diafragmática diagnosticada durante o pré-natal é muito alta. Óbitos neonatais precoces estão associados com presença de outros defeitos estruturais ou anomalias cromossômicas. Nos casos de HDC isolada, a mortalidade está relacionada à presença de fígado herniado, lado direito da lesão e desvio grave de mediastino.

Keywords : Ultra-sonografia; Hérnia diafragmática congênita; Mortalidade neonatal; Diagnóstico pré-natal; Malformação fetal.

        · abstract in English     · text in English     · English ( pdf )

 

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License