SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.61 issue4Inhibition of cyclooxygenase-2 in experimental severe acute pancreatitisPrognostic factors in pathologic fractures secondary to metastatic tumors author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Clinics

Print version ISSN 1807-5932On-line version ISSN 1980-5322

Abstract

CAMARGO, Rosalinda Y. A. et al. Prevalência de tireoidite de Hashimoto na população vicinal ao Pólo Petroquímico de Capuava (área Polo) e área controle (São Bernardo Campo) na região metropolitana da grande São Paulo, Brasil. Clinics [online]. 2006, vol.61, n.4, pp.307-312. ISSN 1807-5932.  http://dx.doi.org/10.1590/S1807-59322006000400006.

OBJETIVO: Analisar a prevalência populacional de tireoidite crônica autoimune (tireoidite de Hashimoto) na área vicinal ao Polo Petroquímico de Capuava comparativamente a área controle em São Bernardo Campo. CASUÍSTICA E MÉTODOS: Em ambas as áreas urbanas foram incluídos, aleatoriamente, indivíduos adultos que, de forma voluntária, concordaram em participar do estudo, estratificado por idade (20 a > 70 anos) e sexo (mulheres 80%, homens 20%). Na área Polo foram incluídos 409 indivíduos e na área controle (São Bernardo Campo) 420 pessoas (sem diferenças significativas quanto a idade e sexo). Na área Polo 15,6% apresentava sinais ecográficos e de positividade para anticorpos anti TPO, confirmando tireoidite crônica autoimune (TCA) comparativamente a 19,5% na área controle (p > 0,05, NS). A presença de hipotiroidismo foi confirmada em 4,9% da população na área Polo e 8,3% na área controle (São Bernardo Campo) (p = 0,046, significativo). No conjunto 6,63% dos pacientes com TCA apresentavam hipofunção tireóidea. A excreção urinária de iodo ultrapassou 300 mcg Iodo/L de urina em 58,5% de ambas populações. O sal coletado nas casas dos examinados apresentava concentração normal de iodo (35,5 + 6,6 mg I/Kg de sal). CONCLUSÕES: A maior prevalência de tireoidite crônica autoimune em ambas as áreas é, provavelmente, decorrente da elevada ingestão nutricional de iodo durante o quinqüênio que precedeu esta pesquisa (1998-2004). A suposta conexão epidemiológica de maior prevalência epidemiológica de TCA com vicinidade com o Polo Petroquímico de Capuava é improvável.

Keywords : Tireoidite crônica; Iodo nutricional; Doença autoimune; Hipotireoidismo; Anticorpos anti-tireóide; Poluentes petroquímicos.

        · abstract in English     · text in English     · English ( pdf epdf )

 

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License