SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.61 issue5Seroconversion of hepatitis B vaccine in infants related to the mother's serostatus in a community of São José dos Campos, state of São Paulo, BrazilMeasurement of plasma levels of vascular endothelial growth factor in prostate cancer patients: relationship with clinical stage, Gleason score, prostate volume, and serum prostate-specific antigen author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Clinics

Print version ISSN 1807-5932On-line version ISSN 1980-5322

Abstract

LOBO, Frederico Lafraia et al. Estudo da resistência à tração das cordas da valva mitral. Clinics [online]. 2006, vol.61, n.5, pp.395-400. ISSN 1807-5932.  http://dx.doi.org/10.1590/S1807-59322006000500005.

OBJETIVO: Determinar o alongamento e a resistência à tração das cordas tendíneas primárias humanas da valva mitral cardíaca. Sabe-se da importância de se manter a integridade do músculo papilar, corda tendínea e cúspide da valva mitral, quando da substituição desta valva, mas não se tem conhecimento da resistência máxima que uma corda tendínea primaria pode sofrer resistência máxima que uma corda tendínea apresenta. MÉTODO: Foram dissecados 8 corações que permitiram a tração de cento e trinta e duas cordas tendíneas primárias humanas. Foram dissecados 8 corações que permitiram a tração de cento e trinta e duas cordas tendíneas primárias humanas, as quais foram medidas (comprimento e espessura) e submetidas a trações em condições controladas, e assim a resistência absoluta, a resistência relativa a espessura (resistência relativa) e o alongamento puderam ser medidos. RESULTADOS: A correlação entre alongamento no momento da ruptura e espessura foi igual a 1,54 + 17,02*espessura (p=0,026); e à resistência absoluta foi igual a 0,95 + 1,42*resistência (p<0,001); e à resistência relativa à espessura foi igual a 1,95 + 0,08*resistência relativa (p=0,009). A correlação entre resistência absoluta e espessura foi igual a 0,26 + 14,53*espessura (p<0,001). CONCLUSÃO: A resistência da corda tendínea primaria humana da valva mitral está relacionada com sua espessura e com o alongamento no momento da ruptura à tração, não estando relacionada ao seu comprimento; e que o alongamento no momento da ruptura apresenta correlação com a resistência relativa à espessura e com a espessura da corda tendínea primaria humana, não estando relacionada com o comprimento da mesma.

Keywords : Cordoalha; Corda Tendinea; Valva Mitral; Aparelho atrio-ventricular; Resistência; Alongamento.

        · abstract in English     · text in English     · English ( pdf )

 

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License