SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.34 número4Efeitos do boro e cálcio na organogênese in vitro de Eucalyptus grandisAnálise morfológica e ultra-estrutural de diferentes calos de bananeira, cv. Prata anã índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Acta Scientiarum. Agronomy

versão On-line ISSN 1807-8621

Resumo

SOARES, Joyce Dória Rodrigues et al. Anatomia foliar de orquídea micropropagada com diferentes concentrações de silício. Acta Sci., Agron. [online]. 2012, vol.34, n.4, pp.413-421. ISSN 1807-8621.  https://doi.org/10.4025/actasciagron.v34i4.15062.

A realização de pesquisas a respeito das modificações anatômicas decorrentes do cultivo in vitro são fundamentais para o melhor entendimento e elucidação do desenvolvimento das plantas micropropagadas. Dessa forma, tal pesquisa é essencial para melhorar as etapas do processo de aclimatização. Sendo assim, o objetivo deste trabalho foi identificar diferenças nas características anatômicas em folhas de orquídeas micropropagadas sob concentrações de silicato de cálcio. Plântulas oriundas de sementes germinadas in vitro com aproximadamente 0,5 cm de comprimento foram inoculadas em frascos com capacidade para 250 cm³ contendo 60 mL de meio de cultura MS, acrescido de silicato de cálcio (0; 0,5; 1,0 e 2,0 mg L-1) em ambientes de cultivo (natural, em casa de vegetação e artificial e, em sala de crescimento), em todas as combinações possíveis. O meio de cultura teve seu pH ajustado para 5,8 ± 0,1 e geleificado com 5,5 g L-1 de ágar, previamente ao processo de autoclavagem (121ºC) por 20 minutos. Após 150 dias de cultivo, as folhas das plantas foram submetidas à avaliação anatômica por meio de secções transversais. O delineamento experimental foi o inteiramente casualizado. Ocorreram modificações nos tratamentos contendo silício em comparação com aqueles isentos de silício, e entre os ambientes de luz artificial e natural. As plantas apresentaram maior crescimento em luz artificial e nas doses de 0,5 e 2,0 mg L-1 de silicato de cálcio para as plantas nativa e híbrida, respectivamente. Os tratamentos sem a aplicação de silicato induziram deformações no clorênquima e epiderme, ao comparar com o tratamento contendo silício, efeito que pode ter afetado direta ou indiretamente o crescimento das plantas nas condições sem silício.

Palavras-chave : microscopia; Orchidaceae; cultivo in vitro; silicato de cálcio.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons