SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.85Mortalidade de Conotrachelus humeropictus pela aplicação combinada do nematoide Steinernema brazilense com o fungo entomopatogênico Beauveria bassianaEfeitos letais e subletais de agrotóxicos utilizados em citros sobre o ácaro Panonychus citri (Acari: Tetranychidae) índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Arquivos do Instituto Biológico

versão impressa ISSN 0020-3653versão On-line ISSN 1808-1657

Resumo

SA, Laís Pacheco et al. Parasitismo de Diachasmimorpha longicaudata (Ashmead) em duas espécies de moscas-das-frutas. Arq. Inst. Biol. [online]. 2018, vol.85, e0172017.  Epub 23-Ago-2018. ISSN 1808-1657.  https://doi.org/10.1590/1808-1657000172017.

O objetivo deste trabalho foi avaliar o parasitismo de larvas de Tephritidae por duas linhagens de Diachasmimorpha ­longicaudata em duas espécies de mosca-das-frutas. Foram utilizadas fêmeas do parasitoide criadas sobre Ceratitis capitata ou Anastrepha fraterculus acondicionadas em gaiolas adaptadas. Para cada fêmea foram oferecidas 20 larvas durante 1 hora, em ensaio com chance de escolha (20 C. capitata ou 20 A. fraterculus) e sem chance de escolha (10 larvas de cada espécie). Após o parasitismo, o número de cicatrizes foi verificado e os pupários classificados como: não parasitados (ausência de cicatrizes), parasitados (presença de uma cicatriz) e superparasitados (duas ou mais cicatrizes). A intensidade de parasitismo foi avaliada por meio da proporção de larvas não parasitadas, parasitadas ou superparasitadas. As variáveis intensidade de parasitismo e frequência de cicatrizes em virtude do hospedeiro e da linhagem do parasitoide foram analisadas quanto à distribuição de frequência utilizando-se o teste qui-quadrado. No teste sem escolha, independentemente da espécie hospedeira, as fêmeas das duas linhagens parasitaram as larvas oferecidas e, quando tiveram escolha, preferiram superparasitar larvas de A. fraterculus, que são maiores que as de C. capitata. A frequência de pupários sem cicatriz foi maior quando o hospedeiro oferecido foi diferente daquele em que a fêmea foi criada. Independentemente da linhagem do parasitoide, as fêmeas parasitam a maioria das larvas hospedeiras das duas espécies, mas discriminam o hospedeiro, preferindo superparasitar a espécie na qual foi criada o hospedeiro. A. fraterculus foi o preferido para postura de fêmeas.

Palavras-chave : superparasitismo; preferência hospedeira; parasitoide.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )