SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.11 issue1Evaluation of different cases with C1-C2 arthrodesisLumbar dynamic stabilizations author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Coluna/Columna

Print version ISSN 1808-1851

Abstract

BALLESTEROS PLAZA, Vicente et al. Lesão de medula espinal: atualização da literatura: fisiopatologia e tratamento inicial. Coluna/Columna [online]. 2012, vol.11, n.1, pp. 73-76. ISSN 1808-1851.  http://dx.doi.org/10.1590/S1808-18512012000100014.

A fisiopatologia da lesão de medula espinal (LME) é complexa e não está completamente esclarecida. A LME é determinada por processos primários e secundários. A lesão inicial é produzida pela transmissão de energia mecânica para a medula espinal e as estruturas neurais. A lesão secundária atua sobre as estruturas que são poupadas pelo trauma inicial, afetando a perfusão microvascular e as concentrações iônicas, desencadeando a liberação de radicais livres e neurotransmissores e ativando a peroxidação lipídica, o que produz a morte celular. A pesquisa recente sobre o tratamento da LME concentra-se no desenvolvimento de intervenções oportunas que possam atenuar os efeitos dos mecanismos fisiopatológicos secundários. Entre as intervenções farmacológicas, têm sido usados: metilprednisolona, gangliosídeos e antagonistas de opiáceos, de receptores de glutamato e de canais iônicos, considerando seu efeito protetor teórico sobre o prognóstico neurológico dos pacientes com LME. Contudo, nenhuma dessas intervenções modificou significativamente esse prognóstico até agora.

Keywords : Traumatismos da medula espinal [história]; Traumatismos da medula espinal [etiologia]; Traumatismos da medula espinal [fisiopatologia]; Revisão.

        · abstract in English | Spanish     · text in Spanish     · pdf in Spanish