SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.17 número1Relação entre cognição (função executiva e percepção espacial) e equilíbrio de idosos de baixa escolaridadeCorrelação entre a composição corporal e força, resistência da musculatura respiratória e capacidade de exercício em pacientes com doença pulmonar obstrutiva crônica índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Fisioterapia e Pesquisa

versão impressa ISSN 1809-2950

Resumo

SCHNAIDER, Jerusa; KARSTEN, Marlus; CARVALHO, Tales de  e  LIMA, Walter Celso de. Influência da força muscular respiratória pré-operatória na evolução clínica após cirurgia de revascularização do miocárdio. Fisioter. Pesqui. [online]. 2010, vol.17, n.1, pp.52-57. ISSN 1809-2950.  http://dx.doi.org/10.1590/S1809-29502010000100010.

O objetivo foi avaliar se diferenças na força muscular respiratória pré-operatória: a) se relacionam com outros fatores de risco pré-operatórios; e b) influenciam o risco de surgimento de complicações pulmonares pós-operatórias (CPP), os tempos de permanência em ventilação mecânica (VM) e em unidade de terapia intensiva (UTI) e hospitalar após cirurgia de revascularização do miocárdio. O estudo foi observacional, prospectivo, tipo coorte. Vinte e quatro indivíduos concluíram o estudo e, após análise dos valores da manovacuometria pré-operatória, foram alocados em: G1, com pressão inspiratória máxima (PImáx) >70% do previsto (n=13, 54%); e G2, PImáx <70% do previsto (n=11, 46%). Na análise estatística adotou-se o nível de significância de 5% (p<0,05); também foi calculado o risco relativo (RR). Os grupos foram homogêneos (p>0,05) quanto à maioria das variáveis obtidas no pré-operatório (exceto PImáx e PEmáx) e aos dados cirúrgicos. Quase metade dos pacientes do G2, com PImáx inferior, também apresentaram pressão expiratória máxima (PEmáx) inferior à prevista. Os tempos de VM, de internação em UTI e hospitalar pós-operatória, e a presença de CPP não diferiram estatisticamente entre os grupos. Quando comparados aos do G1, os indivíduos do grupo que apresentava fraqueza muscular respiratória (G2) antes da cirurgia revelaram maior risco relativo para o desenvolvimento de complicações pulmonares pós-operatórias.

Palavras-chave : Complicações pós-operatórias; Evolução clínica; Fatores de risco; Músculos respiratórios; Revascularização miocárdica [reabilitação].

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · Português ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons