SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.14 issue4Influence of tinnitus percentage index of speech recognition in patients with normal hearingMuscular and skeletal changes in cervical dysphonic in women author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Arquivos Internacionais de Otorrinolaringologia

Print version ISSN 1809-4872

Abstract

MARCHIORI, Luciana Lozza de Moraes; MELO, Juliana Jandre; POSSETTE, Fernanda Luisa de Figueiredo  and  CORREA, Ariane Leme. Comparação da frequência de queixa de vertigem no idoso com e sem hipertensão arterial. Arquivos Int. Otorrinolaringol. (Impr.) [online]. 2010, vol.14, n.4, pp. 456-460. ISSN 1809-4872.  http://dx.doi.org/10.1590/S1809-48722010000400013.

INTRODUÇÃO: A presença de sintomas otológicos associados à hipertensão é discutida há décadas; entretanto, sua etiologia ainda permanece obscura. OBJETIVO: Comparar a frequência de queixa de vertigem em pacientes idosos com e sem hipertensão arterial. MÉTODO: Estudo prospectivo com 238 indivíduos. Foi aplicado um questionário para preenchimento sistematizado de dados para verificação da hipertensão arterial e da vertigem baseado no protocolo para anamnese audiológica utilizada na rotina de atendimentos. RESULTADOS E DISCUSSÃO: Houve uma proporção maior de mulheres em ambos os grupos. Quanto à idade, houve média de idade semelhante entre o grupo entre os dois grupos. Quanto ao uso de medicamentos, todos faziam uso de algum tipo de medicamento de forma continua. Na população estudada com hipertensão arterial, 106 (90%) faziam uso de anti-hipertensivos. Dos 99 indivíduos que relataram vertigem 22 (15,15%) dos idosos faziam uso de antivertiginosos. No grupo de hipertensos 58 (23,8%) indivíduos relataram vertigem e no de não hipertensos 41 (16%) indivíduos relataram vertigem. Não houve significância entre a queixa de vertigem e a hipertensão arterial no grupo estudado, isto provavelmente por alguns critérios como a exclusão de indivíduos com enfermidades e uso de medicamentos capazes de produzir vertigem, que não puderam ser evitados durante a execução, pois a maioria deles tinha distúrbios associados, situação comum nos idosos. CONCLUSÃO: Observou-se em idosos, com e sem hipertensão arterial, grande frequência da queixa de vertigem, embora não se tenha obtido relação significativa entre a queixa de vertigem e hipertensão arterial na população estudada.

Keywords : hipertensão; vertigem; saúde do idoso.

        · abstract in English     · text in Portuguese     · pdf in Portuguese