SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.16 número1Mastoidectomy: anatomical parameters x surgical difficultyRelationship between the findings of pure-tone audiometry and otoacoustic emission tests on military police personnel índice de autoresíndice de materiabúsqueda de artículos
Home Pagelista alfabética de revistas  

Arquivos Internacionais de Otorrinolaringologia

versión impresa ISSN 1809-4872

Resumen

SECCHI, Myrian Marajó Dal; MORAES, Juliana Furno Simões  y  CASTRO, Fabrício Barbosa de. Fratura de osso temporal em pacientes com traumatismo crânio-encefálico. Arquivos Int. Otorrinolaringol. [online]. 2012, vol.16, n.1, pp. 62-66. ISSN 1809-4872.  http://dx.doi.org/10.7162/S1809-48722012000100009.

INTRODUÇÃO: As fraturas de osso temporal são lesões que se observam em pacientes com traumatismo crânio-encefálico (TCE).A tomografia computadorizada de alta resolução (TC) permite avaliar a fratura e as complicações. OBJETIVO: Avaliar pacientes com TCE e fratura de osso temporal. FORMA DE ESTUDO: Estudo retrospectivo. MÉTODO: Foram avaliados 28 pacientes internados por TCE com evidência clínica e/ou radiológica de fratura de osso temporal. RESULTADOS: A faixa etária variou 3 a 75 anos O lado mais afetado foi o direito 50% (n=14), esquerdo 36% (n=10) e bilateral 14% (n=4). A etiologia do trauma foi queda 25% (n=7), acidentes com motocicletas e bicicletas 21% (n= 6), agressão física 14% (n= 4), atropelamento 11% (n=3), queda de objeto 4% (n=1) e outras causas 25% (n=7). Os sinais clínicos foram: otorragia 78% (n=22), otalgia 11% (n=3), otorreia 7% (n=2), paralisia facial 7% (n=2) e hipoacusia 7% (n=2). Os achados a otoscopia: otorragia 57% (n=16), laceração de conduto auditivo externo 36% (n=10), hemotímpano 11% (n=3), normal 7% (n=2) e sinal de Battle 7% (n=2). Os achados à TC de crânio foram: sem alterações 54%(n=15) e fratura de temporal 7% (n=2) e na TC de ossos temporais foram: linha de fratura 71% (n=20), velamento da mastoide 25% (n=7), ar em cavidade glenóidea 14% (n=4), luxação de cadeia ossicular 7% (n=2) e velamento orelha média 4% (n=1). CONCLUSÃO: Pacientes com TCE devem ser submetidos à avaliação otorrinolaringológica e de imagem, para diagnóstico precoce das complicações e tratamento.

Palabras llave : osso temporal; fratura da base do crânio; tomografia computadorizada por raios X.

        · resumen en Inglés     · texto en Portugués     · pdf en Portugués