SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.16 número1Mastoidectomia: parâmetros anatômicos x dificuldade cirúrgicaRelação entre os achados da avaliação audiométrica e das emissões otoacústicas em policiais militares índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Arquivos Internacionais de Otorrinolaringologia

versão On-line ISSN 1809-4856

Resumo

SECCHI, Myrian Marajó Dal; MORAES, Juliana Furno Simões  e  CASTRO, Fabrício Barbosa de. Fratura de osso temporal em pacientes com traumatismo crânio-encefálico. Arquivos Int. Otorrinolaringol. [online]. 2012, vol.16, n.1, pp.62-66. ISSN 1809-4856.  http://dx.doi.org/10.7162/S1809-48722012000100009.

INTRODUÇÃO: As fraturas de osso temporal são lesões que se observam em pacientes com traumatismo crânio-encefálico (TCE).A tomografia computadorizada de alta resolução (TC) permite avaliar a fratura e as complicações. OBJETIVO: Avaliar pacientes com TCE e fratura de osso temporal. FORMA DE ESTUDO: Estudo retrospectivo. MÉTODO: Foram avaliados 28 pacientes internados por TCE com evidência clínica e/ou radiológica de fratura de osso temporal. RESULTADOS: A faixa etária variou 3 a 75 anos O lado mais afetado foi o direito 50% (n=14), esquerdo 36% (n=10) e bilateral 14% (n=4). A etiologia do trauma foi queda 25% (n=7), acidentes com motocicletas e bicicletas 21% (n= 6), agressão física 14% (n= 4), atropelamento 11% (n=3), queda de objeto 4% (n=1) e outras causas 25% (n=7). Os sinais clínicos foram: otorragia 78% (n=22), otalgia 11% (n=3), otorreia 7% (n=2), paralisia facial 7% (n=2) e hipoacusia 7% (n=2). Os achados a otoscopia: otorragia 57% (n=16), laceração de conduto auditivo externo 36% (n=10), hemotímpano 11% (n=3), normal 7% (n=2) e sinal de Battle 7% (n=2). Os achados à TC de crânio foram: sem alterações 54%(n=15) e fratura de temporal 7% (n=2) e na TC de ossos temporais foram: linha de fratura 71% (n=20), velamento da mastoide 25% (n=7), ar em cavidade glenóidea 14% (n=4), luxação de cadeia ossicular 7% (n=2) e velamento orelha média 4% (n=1). CONCLUSÃO: Pacientes com TCE devem ser submetidos à avaliação otorrinolaringológica e de imagem, para diagnóstico precoce das complicações e tratamento.

Palavras-chave : osso temporal; fratura da base do crânio; tomografia computadorizada por raios X.

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · Português ( pdf epdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons