SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.21Coordenação motora como preditora da aptidão física de meninos pré-púberesadrões motores e musculares na técnica de bruços índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista Brasileira de Cineantropometria & Desempenho Humano

versão impressa ISSN 1415-8426versão On-line ISSN 1980-0037

Resumo

BONORINO, Sabrina Lencina et al. Respostas hemodinâmicas ao exercício de força com restrição de fluxo sanguíneo em pequenos grupos musculares. Rev. bras. cineantropom. desempenho hum. [online]. 2019, vol.21, e56258.  Epub 30-Maio-2019. ISSN 1980-0037.  https://doi.org/10.5007/1980-0037.2019v21e56258.

O presente estudo objetivou analisar as respostas hemodinâmicas agudas ao exercício de força com restrição do fluxo sanguíneo (RFS) realizado com pequenos grupos musculares. A amostra foi composta por 10 voluntários do sexo masculino (22,6 ± 2,07 anos, 1,78 ± 0,06 m, 76,32 ± 13,36 kg), que realizaram de forma aleatória os protocolos envolvendo o exercício de flexão da articulação do cotovelo, com membro dominante (rosca concentrada de bíceps) realizado com (ERFS) e sem restrição do fluxo sanguíneo (ESR). Utilizou-se o desenho cruzado, com intervalo de sete a dez dias entre os experimentos. Foram avaliadas: pressão arterial sistólica (PAS), diastólica (PAD) e média (PAM); pressão de pulso (PP), frequência cardíaca (FC) e duplo produto (DP), em repouso, imediatamente após o esforço, e após o esforço na fase de recuperação de 15 minutos. A PAS, PAD e PAM apresentaram elevação significativa (p <0,05) imediatamente após a realização do ERFS, quando comparadas ao protocolo sem restrição, retornando aos valores de repouso após a recuperação. A PAD reduziu significativamente (p <0,05) na recuperação, apenas no experimento ERFS e a FC elevou no pós-esforço em ambos os experimentos. A PP e o DP não sofreram alterações entre os diferentes momentos de avaliação, independentemente do protocolo. Os resultados do presente estudo permitem concluir que o exercício de força com RFS envolvendo pequenos grupos musculares foi mais eficiente que o exercício sem restrição para promover alterações agudas das respostas hemodinâmicas e que a RFS não representou um risco cardiovascular, considerando seus efeitos sobre a PP.

Palavras-chave : Pressão sanguínea; Terapia por exercício; Treinamento de resistência.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )