SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.29 issue2Adequacy of potassium leaching test in Moringa oleifera seedsImpact of burning vegetation on the Cerrado fungi soil author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Ciência Florestal

Print version ISSN 0103-9954On-line version ISSN 1980-5098

Abstract

SOUZA, João Maurício Fernandes; REIS, Elton Fialho dos; MARTINS, Adilson Santos  and  SANTOS, Antônio Lázaro Ferreira. Avaliação dos conflitos no uso da terra na bacia hidrográfica do ribeirão Lamarão, Distrito Federal. Ciênc. Florest. [online]. 2019, vol.29, n.2, pp.950-964.  Epub Sep 30, 2019. ISSN 0103-9954.  http://dx.doi.org/10.5902/198050984784.

A falta de estudos e a constante degradação das Áreas de Preservação Permanentes (APPs) têm representado um dos maiores entraves para o planejamento de ações conservacionistas, além de favorecer o uso de estratégias inadequadas de manejo das bacias hidrográficas. Dessa forma, este estudo teve como objetivo, delimitar de maneira automática as APPs, elaborar um mapa de uso da terra e identificar a ocorrência de conflitos no uso da terra, tendo como referência legal, a Resolução nº 303, do CONAMA e o Código Florestal. O estudo foi desenvolvido na bacia hidrográfica do Ribeirão Lamarão, situada no sudeste do Distrito Federal, Brasil. Para a classificação do uso da terra, foi utilizada uma imagem digital do satélite ALOS com resolução espacial de 10 metros, sensor AVNIR - 2, obtida em julho de 2010. A base cartográfica utilizada na obtenção dos dados de relevo e hidrografia foi a em formato digital na escala de 1:10.000. Foram mapeadas sete classes de uso da terra: solo exposto (1,01%); agricultura (50,46%); cerrado ralo (11,28%); cerrado denso (10,45%); pastagem (17,54%); pivô central (7,63%); e nuvens (1,55%). Delimitaram-se as APPs situadas no terço superior dos morros (9,94 km2); nascentes e áreas de contribuição (0,27 km2); margens dos cursos d’água (24,10 km2); perfazendo um total de 34,31 km2 (36,85%) da área total da bacia. Não foram identificadas APPs em encostas com declividade superior a 45°. A área de uso indevido correspondeu a 21,70 km2 (63,24%), sendo as classes agricultura (38,40%) e pastagem (15,32%) as principais ocorrências nessas áreas. Apenas 11,50 km2 (33,46%) das APPs estão protegidas por vegetação nativa.

Keywords : Área de preservação permanente; Geoprocessamento; APPs; Sensoriamento remoto.

        · abstract in English     · text in Portuguese     · Portuguese ( pdf )