SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.11 número4NEUROIMAGEM NA DOENÇA DE PEQUENOS VASOS CEREBRAIS: ATUALIZAÇÃO E NOVOS CONCEITOSO PAPEL DAS BIÓPSIAS E AUTÓPSIAS NO DIAGNÓSTICO DA DEFICIÊNCIA COGNITIVA, COM ÊNFASE NAS DOENÇAS CEREBRAIS DE PEQUENOS VASOS: AVALIAÇÃO CRÍTICA E EXPERIÊNCIA PESSOAL índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Dementia & Neuropsychologia

versão impressa ISSN 1980-5764versão On-line ISSN 1980-5764

Resumo

ALVES, Gilberto Sousa et al. UM PAINEL DE CARACTERÍSTICAS CLÍNICAS E NEUROPATOLÓGICAS DA DOENÇA CEREBROVASCULAR ATRAVÉS DOS NOVOS MÉTODOS DE NEUROIMAGEM. Dement. neuropsychol. [online]. 2017, vol.11, n.4, pp.343-355. ISSN 1980-5764.  https://doi.org/10.1590/1980-57642016dn11-040003.

A última década vem testemunhando avanços substanciais na aquisição de marcadores biológicos para o diagnóstico da doença cerebrovascular (DCV). Os métodos de neuroimagem avançados não apenas fornecem uma contribuição estratégica para o diagnóstico diferencial do comprometimento cognitivo vascular (VCI) e demência vascular (VaD), mas contribuem substancialmente na elucidação dos mecanismos fisiopatológicos relacionados à doença de vasos pequenos (SVD) e sua progressão clínica.

Objetivo:

Nesta revisão, métodos de imagem estruturais e metabólicos foram descritos e sua importância diagnóstica analisada, particularmente na investigação da CVD relacionada ao envelhecimento. Métodos: uma pesquisa eletrônica de janeiro de 2010 a 2017 foi realizada através do PubMed/MEDLINE, do Instituto de Informação Científica Web of Knowledge e da EMBASE.

Resultados:

O emprego de estudos de multimodalidade plenamente funcional com Ressonância Magnética (MR)/ Tomografia por Emissão de Pósitrons (PET) representa uma janela para a caracterização clínica mais detalhada da VCI-VaD; com relação à neuroimagem estrutural, a ressonância magnética em 3,0 T vem permitindo varreduras com maior resolução e matrizes de imagem mais elevadas, cortes mais delgados e maior detalhamento anatômico das lesões vasculares.

Conclusão:

Embora a importância da maior parte dessas técnicas no cenário clínico aguarde reconhecimento, há uma grande expectativa de que o seu uso favoreça intervenções terapêuticas progressivamente mais precoces e refinadas para o gerenciamento efetivo do VCI-VaD.

Palavras-chave : neuroimagem; vascular; PET; ressonância magnética; imagem de tensor de difusão; DTI; métodos inovadores.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )