SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.12 número2Delirium em idosos internados internados em enfermarias clínicas: Prevalência e investigação de condições clínicas em uma amostra brasileiraComprometimento cognitivo leve em idosos: relação entre comunicação e capacidade funcional índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Dementia & Neuropsychologia

versão impressa ISSN 1980-5764versão On-line ISSN 1980-5764

Resumo

BRIGOLA, Allan Gustavo et al. DADOS DESCRITIVOS EM DIFERENTES AVALIAÇÃOES COGNITIVAS EM IDOSOS DA COMUNIDADE: DADOS ESTRATIFICADOS POR IDADE E ESCOLARIDADE. Dement. neuropsychol. [online]. 2018, vol.12, n.2, pp.157-164. ISSN 1980-5764.  https://doi.org/10.1590/1980-57642018dn12-020008.

O envelhecimento cognitivo é dinâmico e heterogêneo, ressaltando a importância de ferramentas adequadas para avaliação da função cognitiva na população idosa brasileira.

Objetivo:

Descrever os dados estratificados em idade e escolaridade do desempenho de idosos em diferentes testes cognitivos baseados em papel.

Métodos:

Estudo transversal com 667 idosos da comunidade. Informações demográficas foram coletadas. A cognição global foi mensurada pelo Exame Cognitivo de Addenbrooke - Revisado (ACE-R), Mini Exame Cognitivo de Addenbrooke (M-ACE) e pelo Mini Exame do Estado Mental (MEEM). Os dados foram analisados por meio da estatística descritiva, teste T e pelo Coeficiente de Correlação de Person.

Resultados:

A maioria dos idosos era mulher (53,8%), as médias foram 71,3 (±7,7) anos para idade e 3,6 (±3,5) anos para escolaridade. O melhor desempenho cognitivo global e nos domínios foram nos idosos com maior nível educacional. Cada ano de escolaridade esteve associado com o melhor desempenho em até 10% nos escores de M-ACE e MEEM e até 11% nos escores de ACE-R. Os valores das médias dos escores variaram entre faixas etárias, sendo que o grupo 60-69 anos apresentou melhor desempenho. A matriz de correlação entre os testes cognitivos mostrou que as correlações próximas à perfeição (r=1) aconteceram frequentemente no subgrupo mais escolarizado.

Conclusão:

Idosos mais jovens e com maior escolaridade apresentaram melhores escores cognitivos. Esse estudo oferece uma descrição dos dados dos testes cognitivos considerando faixa etária e escolaridade. Na prática, é consistente que a escolha dos testes para o rastreio cognitivo considere as características da população idosa.

Palavras-chave : idosos; avaliação cognitiva; escolaridade; atenção primária à saúde.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )