SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.66 número3Canais bífidos: identificação de três casos por meio de imagens de tomografia computadorizada de feixe cônicoAcantose glicogênica na boca clinicamente presente como placa branca índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


RGO - Revista Gaúcha de Odontologia

versão impressa ISSN 1981-8637versão On-line ISSN 1981-8637

Resumo

DIB, Jamil Elias et al. Cranioplastia com uso do Polimetilmetacrilato (PMMA) autopolimerizável pelo processo de moldagem convencional: relato de caso clínico. RGO, Rev. Gaúch. Odontol. [online]. 2018, vol.66, n.3, pp.267-273. ISSN 1981-8637.  http://dx.doi.org/10.1590/1981-8637201800030000123376.

Os traumatismos cranioencefálicos que resultam em extensos edemas e ou hematomas normalmente, requerem tratamentos cirúrgicos por meio de uma retirada maior de porção óssea. Deste modo, a ausência do tecido ósseo implica na falta de proteção do tecido cerebral ou até mesmo comprometer a estética especialmente, quando localizadas na região frontal ou frontoparietal. O objetivo deste relato de caso é descrever uma opção de tratamento para os traumatismos cranioencefálicos, por meio da peça pré-fabricada mediante a obtenção do modelo do crânio. Estas falhas ósseas podem ser reconstruídas tanto pelo método direto utilizando o polimetilmetacrilato diretamente sobre as falhas ou por meio das peças pré-confeccionadas como a prototipagem ou a partir do modelo do crânio. Embora outras técnicas apresentem muitos pontos positivos, algumas mostram determinados inconvenientes, desde condição de armazenamento abaixo da gordura abdominal, aquecimento prévio devido a liberação de calor durante a reação de alto polimerização ou o alto custo quando são prototipadas. A técnica neste trabalho descrita relata sua facilidade de execução, elimina o risco do aquecimento local, permite a prévia esterilização em autoclave, é biocompatível, permite a perfeita recuperação anatômica, fácil colocação, baixo custo, ressaltando ainda a vantagem da atuação do cirurgião bucomaxilofacial devido sua familiarização com os procedimentos pertinentes a cabeça e pescoço. Em exame clínico e tomográfico após 24 meses do tratamento, observa-se estabilidade da placa de polimetilmetacrilato, aderências às margens ósseas, e ausência de alterações tissulares.

Palavras-chave : Craniectomia; Polimetilmetacrilato; Próteses.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )