SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.67Distribuição espacial de dentes cariados e restaurados numa população adultaConhecimento dos pais de crianças oncológicas em saúde bucal índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


RGO - Revista Gaúcha de Odontologia

versão impressa ISSN 1981-8637versão On-line ISSN 1981-8637

Resumo

ISHIGAME, Renato Taqueo Placeres et al. Dimorfismo sexual de medidas mandibulares a partir de tomografias computadorizadas. RGO, Rev. Gaúch. Odontol. [online]. 2019, vol.67, e2019007.  Epub 25-Abr-2019. ISSN 1981-8637.  http://dx.doi.org/10.1590/1981-86372019000073579.

Objetivo:

Analisar medidas mandibulares obtidas de 225 tomografias computadorizadas do “Biobanco Osteológico e Tomográfico da Faculdade de Odontologia de Piracicaba Universidade Estadual de Campinas”, visando verificar a existência de relação entre essas medidas, o dimorfismo sexual e a ancestralidade.

Métodos:

Buscou-se estabelecer um modelo matemático capaz de estimar sexo e ancestralidade. Destas tomografias, 126 eram do sexo masculino, 94 do sexo feminino e 5 estavam sem identificação, com idades entre 15 e 100 anos, e ancestralidade conhecida para o fenótipo cor da pele (branco, negro, pardo e amarelo). Foram realizadas medidas entre os pontos: kondylion lateral direito e kondylion lateral esquerdo; kondylion lateral direito e pogônio; kondylion lateral esquerdo e pogônio; borda mesial do forame mentoniano direito e borda mesial do forame mentoniano esquerdo. Analisou-se também a área delimitada pelo triângulo formado pelas medidas entre kondylion lateral direito e kondylion lateral esquerdo; kondylion lateral direito e pogônio; e kondylion lateral esquerdo e pogônio. O teste t de Student para variâncias homogêneas demonstrou que houve diferença estatística nas médias em função do sexo, à exceção da medida de área, que não foi utilizada no modelo.

Resultados:

Foi possível estabelecer um modelo matemático com acurácia de 69,2%. Não houve diferença estatística nas médias em função da ancestralidade.

Conclusão:

Conclui-se que as medidas investigadas auxiliam no processo de estimativa do sexo, porém não foram adequadas para estimar a ancestralidade. A metodologia proposta deve ser expandida para outros grupos populacionais para que possa ser aperfeiçoada.

Palavras-chave : Antropometria; Odontologia legal; Caracteres sexuais; Tomografia computadorizada por raios X.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )