SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.67Perfil das vítimas de acidentes com material biológico em um curso de OdontologiaDesenvolvimento dos caninos permanentes de crianças fissuradas índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


RGO - Revista Gaúcha de Odontologia

versão impressa ISSN 1981-8637versão On-line ISSN 1981-8637

Resumo

SANTOS, Daniel Facó da Silveira et al. Análise do crescimento e viabilidade celular em membranas de poli (L-ácido láctico-CO-ácido glicólico): um estudo in vitro. RGO, Rev. Gaúch. Odontol. [online]. 2019, vol.67, e20190024.  Epub 13-Jun-2019. ISSN 1981-8637.  http://dx.doi.org/10.1590/1981-86372019000243506.

Objetivo:

Esse trabalho avaliou, in vitro, os efeitos biológicos no crescimento e viabilidade celular de fibroblastos em membranas de PLGA com e sem sinvastatina.

Materiais e métodos:

Foram utilizados dois grupos de membranas reabsorvíveis de polímeros sintéticos: PLGA com sinvastantina e sem sinvastantina, recortadas em formato apropriado para adaptar nas placas de 24 wells termométricas. Os fibroblastos foram cultivados em membranas reabsorvíveis, sendo avaliadas em relação à proliferação e viabilidade em 24, 48 e 72 horas após o início do cultivo, os testes foram realizados em triplicata. Para a análise do crescimento celular foi utilizado o método de exclusão vital azul de Tripan, enquanto a viabilidade celular foi observada pelo teste MTT. Os resultados obtidos foram estatisticamente analisados utilizando Two-Way ANOVA, seguido pelo teste de Bonferroni, com intervalo de confiança de 95% e um valor de P inferior a 0,05 foi aceito como estatisticamente significativo.

Resultados:

Foi observado diferença estatística (p<0,01) entre o grupo controle (2,16x104 ± 0,51 células) e o grupo PLGA com sinvastatina (1,58x104 ± 0,36 células) no período de 48 horas. Após 72 horas, diferenças estatísticas (p<0,001) foram observadas entre o grupo PLGA com sinvastatina (1,66x104 ± 0,49 células) e o grupo PLGA sem sinvastatina (2,25x104 ± 0,2 células) em comparação ao grupo controle (2,81x104 ± 0,33 células) quanto a proliferação celular. Diferenças estatísticas (p<0,05) foram observadas entre o grupo controle (0,27 ± 0,05) e o grupo PLGA com sinvastatina (0,21 ± 0,03), da mesma forma que, diferença estatística (p<0,001) foram observadas entre o grupo PLGA sem sinvastatina (0,19 ± 0,02) e grupo controle após 24 horas. No período de 48 horas e 72 horas diferenças estatísticas (p<0,001) foram observadas entre o grupo controle (0,36 ± 0,09 e 0,55 ± 0,05, após 48 e 72 horas respectivamente) e o grupo PLGA sem sinvastatina (0,26 ± 0,05 e 0,34 ± 0,07, após 48 e 72 horas respectivamente), assim como, o grupo PLGA com sinvastatina (0,27 ± 0,04 e 0,31 ± 0,04, após 48 e 72 horas respectivamente) quanto ao teste de viabilidade celular.

Conclusão:

A associação de sinvastatina às membranas de PLGA apresentou um efeito inibitório na proliferação de fibroblastos, bem como induziu uma redução da viabilidade celular destes, deste modo, sugere-se a utilização de PLGA associado à sinvastatina como uma ferramenta para auxiliar na regeneração óssea guiada.

Palavras-chave : Fibroblastos; Ácido láctico; Sinvastatina.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )