SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
 número31Por uma pragmática da inutilidade, ou o valor do inframinceEntre agora e outrora: a escrita da história no cinema de Eduardo Coutinho índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Galáxia (São Paulo)

versão impressa ISSN 1519-311Xversão On-line ISSN 1982-2553

Resumo

LINS, Consuelo. Eduardo Coutinho, linguista selvagem do documentário brasileiro. Galáxia (São Paulo) [online]. 2016, n.31, pp.41-53. ISSN 1519-311X.  http://dx.doi.org/10.1590/1982-25542016123816.

Dos seus documentários em locações reais aos filmados em ambientes fechados, o cineasta Eduardo Coutinho investigou incansavelmente os modos de falar de seus personagens, suas “invenções verbais”, suas possibilidades de fabular, captando nesse movimento a complexidade e as modulações da língua portuguesa de camadas diversas da população brasileira. Este artigo revê essa dimensão fundamental do cinema de Coutinho à luz de Últimas conversas (2015), documentário editado postumamente por Jordana Berg, concluído por João Salles, a partir do material audiovisual daquele que seria o último filme do diretor. Em continuidade com essas preocupações, Eduardo Coutinho expressa em Últimas conversas um desejo de filmar crianças, por identificar nelas um momento originário da experiência da linguagem, em que palavras e sentidos ainda não estão cristalizados.

Palavras-chave : Eduardo Coutinho; documentário brasileiro; análise fílmica.

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · Português ( pdf )