SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
 número31Eduardo Coutinho, linguista selvagem do documentário brasileiroFaces do comum na comunicação: da partilha à disjunção índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Galáxia (São Paulo)

versão impressa ISSN 1519-311Xversão On-line ISSN 1982-2553

Resumo

MESQUITA, Claudia Cardoso. Entre agora e outrora: a escrita da história no cinema de Eduardo Coutinho. Galáxia (São Paulo) [online]. 2016, n.31, pp.54-65. ISSN 1519-311X.  http://dx.doi.org/10.1590/1982-25542016124255.

A cinematografia contemporânea de Eduardo Coutinho é marcada pela centralidade da entrevista como forma dramática e pelo registro do encontro presente entre o diretor e os sujeitos filmados. “Arte do presente”, na expressão de Consuelo Lins (2002), esse cinema abriga, entretanto, um projeto mais raro, mas muito denso, de escrita da história. Propomos investigá-lo a partir do cotejo entre dois documentários separados por 20 anos – Cabra marcado para morrer (1984) e Peões (2004). Eles nos permitem, em suas semelhanças e diferenças, observar as iluminações recíprocas (entre passado e presente) ensejadas pela diacronia de Coutinho, que em nossa hipótese elabora “o presente como história” (YSHAGPOUR, 2000, p. 110).

Palavras-chave : Eduardo Coutinho; cinema documentário; história; Cabra marcado para morrer; Peões.

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · Português ( pdf )