SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.33 número1Mutantes insercionais de Magnaporthe grisea com patogenicidade alterada em arrozAlta incidência de Pepper yellow mosaic virus em tomateiro em região produtora no Distrito Federal índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Tropical Plant Pathology

versão On-line ISSN 1983-2052

Resumo

BOMFETI, Cleide A. et al. Localização da bactéria Pantoea ananatis no interior de lesões da doença mancha branca do milho por meio de microscopia eletrônica de transmissão e técnicas moleculares. Trop. plant pathol. [online]. 2008, vol.33, n.1, pp. 63-66. ISSN 1983-2052.  http://dx.doi.org/10.1590/S1982-56762008000100010.

O agente etiológico da mancha branca do milho (MBM) tem sido alvo de discussão e controvérsia. Inicialmente a doença foi descrita como sendo a mancha foliar de Phaeosphaeria causada por Phaeosphaeria maydis. Outros autores sugeriram a existência de diferentes espécies fúngicas provocando sintomas semelhantes. Recentemente a bactéria Pantoea ananatis foi descrita como sendo o agente causal desta doença. O objetivo deste estudo foi oferecer informações adicionais sobre a correta etiologia da doença proporcionando evidências visuais da presença da bactéria no interior de lesões da MBM por meio de microscopia eletrônica de transmissão (MET) e técnicas moleculares. A MET permitiu visualizar um grande número de células bacterianas nos espaços intercelulares em lesões oriundas de plantas naturalmente e artificialmente infectadas. Estruturas fúngicas não foram visualizadas em lesões jovens. Primers bacterianos para os genes 16S rRNA e rpoB foram usados em reações de PCR para amplificar DNA extraído diretamente de lesões jovens e de lesões necróticas. O oligonucleotídeo universal para fungo, ITS4, foi incluído para identificar a possível presença de estruturas fúngicas nas lesões. Amplificação positiva foi obtida com primers bacterianos, a partir de lesões jovens, natural e artificialmente inoculadas, enquanto que nenhuma amplificação foi observada quando o oligonucleotídeo ITS4 foi usado. Amplificação do DNA com o primer ITS4 foi observada quando o DNA foi extraído de lesões em estádio avançado de necrose. Estes resultados reforçam relatos anteriores que descrevem P. ananatis como patógeno primário da doença e a hipótese de que espécies fúngicas podem colonizar lesões pré-estabelecidas pela P. ananatis.

Palavras-chave : Doença bacteriana do milho; doenças foliares do milho; Zea mays.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · pdf em Inglês