SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.29 número2ANTICORPOS ANTI-Lentivírus, Brucella abortus E B. ovis EM PEQUENOS RUMINANTES CRIADOS EM PERNAMBUCO E BAHIA índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista Caatinga

versão impressa ISSN 0100-316Xversão On-line ISSN 1983-2125

Resumo

SANTOS, JOSÉ CLAUDIO EPAMINONDAS DOS; PEDREIRA, MARCELO MATTOS  e  LUZ, RONALD KENNEDY. FREQUÊNCIA ALIMENTAR NA LARVICULTURA DE PACAMÃ. Rev. Caatinga [online]. 2016, vol.29, n.2, pp.512-518. ISSN 1983-2125.  https://doi.org/10.1590/1983-21252016v29n230rc.

Objetivou-se avaliar diferentes frequências alimentares na larvicultura de pacamã Lophiosilurus alexandri. Na primeira fase, com duração de 10 dias, larvas com nove dias pós-eclosão (13,5 ± 0,7 mm) foram estocadas na densidade de 10 larvas L-1 em tanques com 5 L cada. Os tratamentos experimentais foram: F2T (alimentação as 8h00 e 17h00); F2M (alimentação as 8h00 e 12h30); F3 (alimentação as 8h00, 12h30 e 17h00); e F4 (alimentação as 8h00, 11h00, 14h00 e 17h00). Durante esta fase foram utilizados náuplios de Artemia como alimento. Na segunda fase, com duração de 15 dias, os juvenis foram estocados em tanques com 20 L na densidade de 2,2 juvenis L-1, sendo mantidas as mesmas frequências alimentares da primeira fase. A alimentação consistiu no fornecimento de ração comercial contendo 40% de proteína bruta. Durante as duas fases, as diferentes frequências alimentares não afetaram o desempenho e sobrevivência. No entanto, a sobrevivência diminui da primeira para a segunda fase, mostrando a importância do tipo de alimento. Durante a larvicultura do pacamã pode ser recomendada a frequência alimentar de duas vezes ao dia.

Palavras-chave : Artemia; Lophiosilurus alexandri; Manejo alimentar; Peixe carnívoro; Ração comercial.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )