SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.26 número4Quality of life among children with cleft lips and palates: a critical review of measurement instrumentsUse of latissimus dorsi muscle segment with muscle and fat components in single decubitus position for breast reconstruction after quadrantectomy índice de autoresíndice de materiabúsqueda de artículos
Home Pagelista alfabética de revistas  

Revista Brasileira de Cirurgia Plástica

versión impresa ISSN 1983-5175

Resumen

SILVA, Joaquim José de Lima et al. Fratura de mandíbula: estudo epidemiológico de 70 casos. Rev. Bras. Cir. Plást. [online]. 2011, vol.26, n.4, pp. 645-648. ISSN 1983-5175.  http://dx.doi.org/10.1590/S1983-51752011000400018.

INTRODUÇÃO: As fraturas de mandíbula são frequentemente causadas por traumatismo direto, mas, eventualmente, podem surgir fraturas patológicas, em função de lesões tumorais. A abordagem cirúrgica é determinada pelo tipo e pela localização da fratura na mandíbula. O objetivo deste estudo foi avaliar o perfil epidemiológico de 70 pacientes que sofreram fratura de mandíbula e foram operados no Instituto Dr. José Frota (Fortaleza, CE) no período de janeiro de 2005 a dezembro de 2009. MÉTODO: Foram analisados prontuários de 70 pacientes submetidos a cirurgia para correção de fratura de mandíbula, avaliando-se sexo, idade, cor, procedência, sítio anatômico da fratura, etiologia, fraturas associadas, tratamento, tempo de internação e complicações. RESULTADOS:Houve predomínio do sexo masculino (90%), com média de idade de 28,25 + 11,04 anos. A maioria dos pacientes (80%) era de cor branca e procedente do interior (68%). Os locais da mandíbula mais acometidos foram a região da parassínfise, o corpo e o ângulo, tendo como principal causa os acidentes de trânsito (70%), sendo os acidentes motociclísticos (55,7%) mais prevalentes. As principais fraturas de face associadas foram de maxila do tipo Le Fort e zigomático-orbitário. O tratamento cirúrgico foi feito com fixação interna rígida na maioria dos pacientes (75%). A única complicação foi infecção, observada em um paciente. CONCLUSÕES: A redução e a fixação das fraturas mandibulares devem ocorrer tão precisa e rapidamente quanto possível, visto que a maloclusão é uma complicação grave a longo prazo. Neste estudo, essa complicação não foi observada, havendo apenas um caso de infecção. Coincidindo com os achados de outros estudos, houve prevalência de adultos jovens do sexo masculino e de acidentes de trânsito como etiologia. As fraturas foram localizadas preferencialmente na região da parassínfise e corrigidas por meio de fixação interna rígida em 75% dos casos.

Palabras llave : Mandíbula [cirurgia]; Traumatismos mandibulares; Fraturas mandibulares; Traumatismos faciais.

        · resumen en Inglés     · texto en Portugués | Inglés     · pdf en Inglés | Portugués