SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.50 issue4Pharmaceutical services and health promotion: how far have we gone and how are we faring? Scientific output in pharmaceutical studiesOptimization and validation of an RP-HPLC method for the estimation of 6-mercaptopurine in bulk and pharmaceutical formulations author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Brazilian Journal of Pharmaceutical Sciences

Print version ISSN 1984-8250On-line version ISSN 2175-9790

Abstract

NERILO, Samuel Botião et al. Pesticide use and cholinesterase inhibition in small-scale agricultural workers in southern Brazil. Braz. J. Pharm. Sci. [online]. 2014, vol.50, n.4, pp.783-791. ISSN 1984-8250.  https://doi.org/10.1590/S1984-82502014000400014.

Realizou-se um estudo transversal controlado, com hortifruticultores, durante o período de outubro de 2009 a outubro de 2010, a fim de caracterizar o uso de praguicidas, estabelecer o perfil sócio demográfico e analisar a atividade das colinesterases em trabalhadores rurais do sul do Brasil. Os dados foram obtidos de 173 trabalhadores e 179 controles. Um formulário estruturado foi aplicado obtendo informações sócio demográficas, conhecimento e práticas de trabalho relacionadas com o uso de praguicidas. Os valores de referência para colinesterases totais (ChEs) e butirilcolinesterase (BuChE) foram obtidos a partir da média da atividade enzimática do grupo controle. A idade média da população exposta foi de 40,0±11,2 anos. Os sinais/sintomas foram significativamente diferentes (p<0,05) entre a população exposta e não exposta. Quarenta trabalhadores (23,1%) apresentaram sinais/sintomas relacionados com a exposição aos praguicidas. O valor médio do grupo controle foi de 6,3 μmol/mL/min para o gênero masculino e 5,6 μmol/mL/min para o gênero feminino na ChEs; 2,4 μmol/mL/min para o gênero masculino e 2,0 μmol/mL/min para o gênero feminino na BuChE. Do total de trabalhadores (n=173), 08 (4,6%) apresentaram inibição elevada (>30%) das atividades das ChEs, e para BuChE nenhum trabalhador apresentou alta inibição (>50%). Dentre os fatores que poderiam estar envolvidos destacam-se o gênero, escolaridade, orientação para trabalhar com praguicidas, exposição e medidas de higiene.

Keywords : Agrotóxicos/uso; Agrotóxicos/exposição ocupacional; Colinesterase/avaliação/exposição ocupacional a agrotóxicos Hortifruticultores/exposição ocupacional a agrotóxicos; Saúde ocupacional; Brasil/região Sul/saúde ocupacional.

        · abstract in English     · text in English     · English ( pdf )