SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.24 número1Temporal processing in children with phonological disorders submitted to auditory training: a pilot studyIs it possible to predict the length of therapy for developmental language impairments? índice de autoresíndice de materiabúsqueda de artículos
Home Pagelista alfabética de revistas  

Jornal da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia

versión On-line ISSN 2179-6491

Resumen

CASTRO, Márcia Mathias de  y  WERTZNER, Haydée Fiszbein. Estimulabilidade: medida auxiliar na identificação de dificuldade na produção dos sons . J. Soc. Bras. Fonoaudiol. [online]. 2012, vol.24, n.1, pp. 49-56. ISSN 2179-6491.  http://dx.doi.org/10.1590/S2179-64912012000100009.

OBJETIVO: Analisar a efetividade da estimulabilidade como prova complementar ao diagnóstico do transtorno fonológico (TF) e descrever o desempenho de crianças com ausência de sons no inventário fonético quanto a sons ausentes estimuláveis, gravidade, gênero, idade e ocorrência de diferentes processos fonológicos. MÉTODOS: Participaram 130 crianças de ambos os gêneros, entre 5 anos e 10 anos e 10 meses de idade, distribuídas em dois grupos: Grupo Pesquisa (GP), composto por 55 crianças com TF; e Grupo Controle (GC), composto por 75 crianças sem alterações fonoaudiológicas. A partir da aplicação da prova de Fonologia, foi calculada a gravidade do TF por meio do Percentual de Consoantes Corretas-Revisada (PCC-R) e verificado o inventário fonético. Para cada som ausente do inventário foi aplicada a estimulabilidade em imitação de palavras. O GP foi dividido em GP1 (27 crianças que apresentaram sons ausentes) e GP2 (28 crianças com inventário completo). RESULTADOS: Nenhuma criança do GC apresentou som ausente no inventário e no GP1 49% apresentaram sons ausentes. Houve ausência da maioria dos sons da língua. As médias do PCC-R foram menores no GP1, indicando maior gravidade. No GP1, 22 crianças foram estimuláveis e cinco não o foram a qualquer som. Houve associação entre os processos fonológicos mais ocorrentes no TF e a necessidade de avaliação da estimulabilidade, o que indica que a dificuldade em produzir os sons ausentes reflete dificuldade de representação fonológica. A estimulabilidade sofre influência da idade, mas não do gênero. CONCLUSÃO: A prova de estimulabilidade é efetiva para identificar dentre crianças com sons ausentes do inventário, aquelas que são estimuláveis. Tais crianças com TF, que apresentam sons ausentes do inventário, são mais graves uma vez que os valores do PCC-R são mais baixos. As crianças com sons ausentes são estimuláveis em sua maioria, e podem não ser estimuláveis para sons com estrutura silábica ou gesto articulatório complexos. A dificuldade em produzir os sons ausentes reflete dificuldade de representação fonológica. A produção motora da fala demonstrou receber influência da maturação de forma semelhante entre meninos e meninas.

Palabras llave : Distúrbios da fala; terapia; Testes de articulação da fala; Transtornos do desenvolvimento da linguagem; Patologia da fala e linguagem; Comportamento verbal.

        · resumen en Inglés     · texto en Portugués | Inglés     · pdf en Inglés | Portugués