SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.24 número3Qualidade de vida em deglutição em idosos saudáveisInterferência da variante linguística nas estratégias de reparo utilizadas no processo de aquisição fonológica índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Jornal da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia

versão On-line ISSN 2179-6491

Resumo

SERVILHA, Emilse Aparecida Merlin  e  DELATTI, Marina de Almeida. Percepção de ruído no ambiente de trabalho e sintomas auditivos e extra-auditivos autorreferidos por professores universitários. J. Soc. Bras. Fonoaudiol. [online]. 2012, vol.24, n.3, pp.233-238. ISSN 2179-6491.  http://dx.doi.org/10.1590/S2179-64912012000300008.

OBJETIVO: Investigar a correlação entre ruído no ambiente de trabalho e sintomas auditivos e extra-auditivos mencionados por professores universitários. MÉTODOS: Oitenta e quatro professores responderam a um questionário com questões sobre identificação, situação funcional e saúde. A relação entre ruído no trabalho e sintomas extra-auditivos e auditivos foi pesquisada. Foi realizada análise estatística, considerando o nível de significância de 5%. RESULTADOS: Nenhum professor indicou ausência de ruído. As respostas foram agrupadas em Sempre (S) (n=21) e Não Sempre (NS) (n=63). Houve diferença quanto ao pátio e a outra sala de aula como fontes de ruído, classificado como de forte intensidade; acústica insatisfatória e eco. Não houve associação entre referência à presença de ruído e queixas extra-auditivas do tipo digestivo, hormonal, osteoarticular, dentário, circulatório, emocional e respiratório. Não houve associação entre autopercepção de presença de ruído e de queixas auditivas e o grupo S mostrou maior ocorrência de respostas em incômodo ao ruído, dificuldade de ouvir e tontura/vertigem, zumbido e dor de ouvido. Houve associação entre autopercepção de alterações na voz e ruído e o grupo NS apresentou maior porcentagem de casos com alteração na voz que o grupo S. CONCLUSÃO: O ambiente universitário foi considerado ruidoso, porém não houve associação com doenças extra-auditivas e auditivas. As queixas auditivas foram mais evidentes naqueles professores que referiram ruído na modalidade Sempre. A saúde dos docentes é produto multidimensional, desta forma, o ruído não pode ser considerado fator único de agravo.

Palavras-chave : Saúde do trabalhador; Docentes; Ruído ocupacional; Efeitos do ruído; Voz; Distúrbios da voz.

        · resumo em Inglês     · texto em Português | Inglês     · Português ( pdf ) | Inglês ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons