SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.22 número2Riqueza e distribuição de macrófitas aquáticas em ecossistemas aquáticos do semi-árido brasileiroHerbáceas aquáticas das áreas alagáveis amazônicas: estado da arte e estudos necessários índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Acta Limnologica Brasiliensia

versão On-line ISSN 2179-975X

Resumo

BIANCHINI JR., Irineu; CUNHA-SANTINO, Marcela Bianchessi da; ROMEIRO, Francisco  e  BITAR, Alexandre Luccas. Emissões de metano e dióxido de carbono da decomposição de macrófitas aquáticas de uma lagoa tropical (São Paulo, Brasil). Acta Limnol. Bras. (Online) [online]. 2010, vol.22, n.2, pp.157-164. ISSN 2179-975X.  https://doi.org/10.4322/actalb.02202005.

OBJETIVO: Acúmulos intensos de plantas nos sedimentos são importantes fontes de emissões de CH4 e CO2 em lagoas de várzea de inundação. Nesse estudo foram determinadas as formações de CH4 e CO2 da decomposição anaeróbia de macrófitas aquáticas de uma lagoa marginal; MÉTODOS: A formação do metano foi determinada com base nas características intrínsecas dos detritos e das condições experimentais. As produções de CH4 e CO2 foram determinadas durante a degradação de sete espécies de macrófitas aquáticas: Cabomba furcata, Cyperus giganteus, Egeria najas, Eichhornia azurea, Ludwigia inclinata, Oxycaryum cubense, and Utricularia breviscapa, todas provenientes da zona litorânea da lagoa marginal selecionada; RESULTADOS: De modo geral, a mentanogênese foi mais sensível à variação da temperatura que os demais processos de mineralização. Embora as rotas metabólicas que geraram o CO2 sempre predominaram, a formação do metano foi favorecida com o incremento da temperatura em detrimento da geração de CO2. Enquanto vários fatores (e.g. pH, potencial redox, salinidade, disponibilidade de nutrientes) influenciaram os rendimentos dos produtos finais da degradação, a temperatura e a composição química dos detritos foram, de modo geral, os fatores mais importantes para a formação do CH4. Nas lagoas marginais da várzea de inundação do rio Mogi-Guaçu e em especial na lagoa do Óleo, em média, 10% do carbono dos detritos de macrófitas devem ser convertidos em CH4 enquanto os demais (90%) em CO2.

Palavras-chave : metano; decomposição aneróbia; macrófitas aquáticas; pântano; lagos de várzea; rio Mogi-Guaçu; lagoa do Óleo.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons