SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.23 número3Avaliação de parâmetros de qualidade de água para monitoramento de áreas naturais, urbanas e agrícolas no Cerrado brasileiro índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Acta Limnologica Brasiliensia

versão On-line ISSN 2179-975X

Resumo

MELO, Adriano Sanches et al. Focando na variação: métodos e aplicações do conceito de diversidade beta em ecossistemas aquáticos. Acta Limnol. Bras. [online]. 2011, vol.23, n.3, pp. 318-331.  Epub 13-Mar-2012. ISSN 2179-975X.  http://dx.doi.org/10.1590/S2179-975X2012005000010.

Ecólogos geralmente estimam médias, mas dedicam pouca atenção à variação. O estudo da variação é um aspecto chave para entender sistemas naturais e fazer predições. Em ecologia de comunidades, a maioria dos estudos foca na diversidade local de espécies (diversidade alfa), e apenas recentemente ecólogos passaram a dar atenção apropriada a variação na composição de comunidades entre sítios amostrais (diversidade beta). Isto acontece apesar do fato das primeiras tentativas de estimar diversidade beta terem sido feitas pelos trabalhos pioneiros de Koch e Whittaker na década de 1950. Houve significativo progresso na última década no desenvolvimento tanto de métodos como de hipóteses sobre a origem e manutenção da variação na composição de comunidades. Por exemplo, métodos estão disponíveis para particionar a diversidade total de uma região (diversidade gama) num componente local (alfa) e diversos componentes de diversidade beta, cada um referente a uma escala na hierarquia. A popularização da chamada abordagem de dados brutos (raw-data approach) (baseada em técnicas de ordenação parcial restrita) e abordagem baseada em distância (distance-based approach) (baseada em correlações de matrizes de dissimilaridade/distância) tem possibilitado a avaliação de hipóteses sobre os padrões de diversidade beta. De maneira geral, estas hipóteses são baseadas nas teorias de nicho e neutra, e levam em consideração o papel do ambiente e do espaço (ou combinação deles) na determinação das metacomunidades. Estudos recentes avaliaram estes temas em grande variedade de escalas espaciais e temporais, de habitats e grupos taxonômicos. Adicionalmente, histórias de vida e traços funcionais das espécies tais como habilidades de dispersão e raridade estão começando a ser consideradas nos estudos de diversidade beta. Neste artigo nós revisamos brevemente algumas destas novas ferramentas e abordagens e as ilustramos com estudos de caso em ecossistemas aquáticos.

Palavras-chave : substituição temporal; escalas hierarquicas; espécies raras; dissimilaridade; CCA.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · pdf em Inglês