SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.25 número1Resposta de Daphnia magna Straus, 1820 a amostras de sedimento de um rio contaminado (Rio Grande do Sul, Brasil)Utilização de sedimento artificial na avaliação da toxicidade do cromo sobre Chironomus xanthus, Danio rerio e Poecilia reticulata índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Acta Limnologica Brasiliensia

versão On-line ISSN 2179-975X

Resumo

TRINDADE, Márcia Emília de Jesus; PERESSIN, Alexandre; CETRA, Maurício  e  JUCA-CHAGAS, Ricardo. Variação na dieta de um pequeno Characidae de acordo com a cobertura da mata ripária em um riacho da Mata Atlântica, nordeste do Brasil. Acta Limnol. Bras. [online]. 2013, vol.25, n.1, pp.34-41. ISSN 2179-975X.  https://doi.org/10.1590/S2179-975X2013000100005.

OBJETIVO: nesse trabalho utilizamos informações sobre a alimentação de Astyanax vermilion como ferramenta para comparar dois trechos de riachos com diferentes coberturas vegetais, no Ribeirão Limoeiro, bacia do Rio Cachoeira, BA. MÉTODOS: foram realizadas quatro amostragens (março, junho, setembro e dezembro) utilizando-se a pesca elétrica como método de coleta em dois trechos de cabeceira contíguos: trecho sem vegetação ripária e com vegetação ripária. A composição qualitativa da dieta foi analisada por meio do método de freqüência de ocorrência. RESULTADOS: os recursos alóctones de origem vegetal compuseram a maior parte da dieta no trecho sem mata ripária, com 64% em freqüência de ocorrência; no trecho com mata ciliar, os recursos alóctones de origem animal compuseram a maior parte da dieta, com 62% de ocorrência, o que ressalta a importância do alimento proveniente do ambiente no entorno. O valor médio do índice de diversidade de Shannon, calculado a partir da freqüência de ocorrência dos itens alimentares, foi significativamente diferente (p = 0,007) quando se comparou o trecho sem mata (H' = 1,44) e com mata (H' = 1,80). O peso médio dos estômagos no trecho sem mata (PeD = 0,18g) foi significativamente maior que aqueles provenientes do trecho com mata (PeF = 0,14g). CONCLUSÕES: no trecho com mata ciliar a diversidade alimentar é maior e os peixes que estão no trecho sem mata ciliar necessitam de maior quantidade de alimento para satisfazer suas necessidades fisiológicas. Estes resultados acentuam a importância do tipo de vegetação ripária como fonte de alimento para os peixes.

Palavras-chave : ambiente de cabeceira; sistemas lóticos; recursos alimentares; dependência espacial.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons