SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.18 número43Orphanato Municipal de Belém: acolhimento, educação e instrução a meninas (1893-1911) índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


História da Educação

versão On-line ISSN 2236-3459

Resumo

KAHN, Pierre. Lições de coisas e ensino das ciências na França no fim do século 19: contribuição a uma história da cultura. Hist. Educ. [online]. 2014, vol.18, n.43, pp.183-201. ISSN 2236-3459.  http://dx.doi.org/10.1590/S2236-34592014000200011.

Além das grandes reformas realizadas na organização institucional da escola primária, gratuidade, obrigação, laicidade, os republicanos franceses do final do século 19 quiseram operar uma profunda transformação dos conteúdos de ensino e das normas pedagógicas. As ciências experimentais foram imensamente beneficiadas com isso e se tornaram, em 1882, uma disciplina regular da escola primária com os seus programas e a sua carga horária. A lição de coisas, procedimento pedagógico pelo qual os reformadores se entusiasmaram desde 1860, ficará estreita e naturalmente associada a esse ensino. Ela é, inicialmente, de fato, uma lição de observação: onde os alunos encontrarão melhores oportunidades para observar do que nas aulas de história natural ou de física elementar? Assim, ligados entre si, o ensino das ciências e a lição de coisas têm dois aspectos, um prosaico, outro encantador. Contexto prosaico: o ensino das ciências, destinado a alunos que, na sua maioria, não conhecerão outra escola a não ser a primária, deve permanecer prático e usual. A lição de coisas convém especialmente a esse ensino porque ela trata primordialmente das realidades concretas e familiares. Contexto encantador: o ensino das ciências é um instrumento poderoso de educação intelectual, até mesmo de educação moral e política. Ele representa a esperança de uma educação liberal primária tão completa, digna e válida em seu gênero, quanto às humanidades clássicas do secundário. A lição de coisas, ao fazer corresponder a abordagem pedagógica ao próprio método da ciência, o método indutivo, se torna então, por excelência, o que permite esta educação intelectual. Esta tensão não é própria ao ensino das ciências. Essa análise enseja, antes de mais nada, evidenciar o duplo discurso que os republicanos tiveram sobre uma escola que eles transformaram, simultaneamente, em realidade e sonho.

Palavras-chave : atividade (do aluno); escola primária; educação intelectual; educação prática; ensino concreto; ensino das ciências; lição de coisas; método indutivo; método intuitivo; observação; pedagogia.

        · resumo em Inglês | Espanhol | Francês     · texto em Português | Francês     · Português ( pdf ) | Francês ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons