SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.38 número1Níveis de IL-6 e IL-10 no sangue de cordão umbilical de recém-nascidos com história de exposição intrauterina ao crack/cocaína: um estudo comparativoHeat stroke durante tratamento de longo prazo com clozapina: devemos nos preocupar com o tempo quente? índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Trends in Psychiatry and Psychotherapy

versão impressa ISSN 2237-6089versão On-line ISSN 2238-0019

Resumo

TREVIZOL, Alisson Paulino et al. Estimulação magnética transcraniana para transtorno de estresse pós-traumático: revisão sistemática de literatura e metanálise. Trends Psychiatry Psychother. [online]. 2016, vol.38, n.1, pp.50-55. ISSN 2238-0019.  https://doi.org/10.1590/2237-6089-2015-0072.

Introdução

A estimulação magnética transcraniana (EMT) é uma intervenção não farmacológica promissora no tratamento de transtorno de estresse pós-traumático (TEPT). No entanto, estudos controlados e metanálises apresentaram resultados conflitantes até o momento.

Objetivo

Revisar os artigos sobre a eficácia da EMT para o tratamento de TEPT.

Métodos

Conduzimos uma revisão sistemática da literatura no MEDLINE para identificar estudos controlados e randomizados publicados até setembro de 2015. O desfecho primeiro foi baseado nas escalas de gravidade de TEPT como variáreis contínuas. O desfecho principal foi o g de Hedges. Utilizamos o modelo de efeito randômico com as análises estatísticas para metanálise do Stata 13 para Mac OSX. A heterogeneidade foi avaliada com o I2 (> 35% para heterogeneidade) e o teste do χ2 (p < 0,01 para heterogeneidade). Viés de publicação foi avaliado utilizando-se o gráfico do funil. Realizamos metarregressões com modelo de efeito randômico.

Resultados

Cinco estudos foram incluídos. A EMT ativa foi superior ao placebo para o tratamento de TEPT (g de Hedges = 0,74; intervalo de confiança 95% = 0,06-1,42). A heterogeneidade entre os estudos foi significativa em nossa análise (I2 = 71,4% e p = 0,01 para o teste do χ2). O gráfico do funil nos mostrou estudos simetricamente distribuídos, com apenas um estudo localizado marginalmente ao gráfico e um estudo localizado fora do funil. Encontramos que a exclusão de cada estudo não alterou significativamente o resultado final. A metarregressão não mostrou influência de nenhuma variável no resultado.

Conclusões

A estimulação ativa de EMT foi superior à estimulação simulada para melhora dos sintomas de TEPT. Novos estudos randomizados e controlados por simulação são necessários para esclarecer com melhor precisão o impacto da EMT no TEPT.

Palavras-chave : Metanálise; transtorno de estresse pós-traumático; estimulação magnética transcraniana; terapias não farmacológicas; revisão sistemática.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )