SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.40 número4Esquizofrenia e violência: estudo em um hospital psiquiátrico clínico com o HCR-20 e a MOASInformações de saúde mental on-line: o que aprendemos com as métricas de mídias sociais na Semana de Saúde Mental do BuzzFeed índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Trends in Psychiatry and Psychotherapy

versão impressa ISSN 2237-6089versão On-line ISSN 2238-0019

Resumo

BRIDI, Kelen Patrícia Bürke et al. Diferenças entre as estratégias de coping em pacientes adultos com transtorno bipolar e seus familiares em comparação com controles saudáveis. Trends Psychiatry Psychother. [online]. 2018, vol.40, n.4, pp.318-325. ISSN 2238-0019.  https://doi.org/10.1590/2237-6089-2017-0140.

Introdução:

O objetivo deste estudo foi comparar os pacientes com transtorno bipolar (TB), seus familiares de primeiro grau e um grupo de controles saudáveis em termos de uso de estratégias adaptativas e não adaptativas, explorando diferenças entre tipos específicos de estratégias e suas correlações com variáveis clínicas.

Métodos:

Estudo transversal, envolvendo 36 pacientes com TB eutímicos, 39 familiares de primeiro grau e 44 controles. As estratégias de enfrentamento foram avaliadas usando a escala Brief COPE.

Resultados:

Foram detectadas diferenças significativas no uso de estratégias adaptativas e não adaptativas por pacientes, seus familiares e controles. Os pacientes usaram estratégias adaptativas com menos frequência do que os familiares (p<0,001) e controles (p=0,003). Não houve diferença significativa entre familiares dos pacientes e controles (p=0,707). Por outro lado, os pacientes (p<0,001) e seus familiares (p=0,004) exibiram pontuações mais elevadas para coping não adaptativo em relação aos controles. Não houve diferença significativa quando os pacientes foram comparados com seus familiares (p=0,517).

Conclusões:

Familiares de primeiro grau estavam em um nível intermediário entre pacientes com TB e controles no que diz respeito ao uso de habilidades de enfrentamento. Esta descoberta apoia o desenvolvimento de intervenções psicossociais para incentivar o uso de estratégias adaptativas em vez de estratégias inadequadas nessa população.

Palavras-chave : Coping; Brief COPE; transtorno bipolar; familiares de primeiro grau.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )