SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.26 número5Instrumentos de rastreio em disfagia: uma revisão sistemáticaO impacto da concordância entre avaliadores no julgamento perceptivo da nasalidade da fala índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


CoDAS

versão On-line ISSN 2317-1782

Resumo

GURGEL, Léia Gonçalves; VIDOR, Deisi Cristina Gollo Marques; JOLY, Maria Cristina Rodrigues Azevedo  e  REPPOLD, Caroline Tozzi. Fatores de risco para o desenvolvimento adequado da linguagem oral em crianças: uma revisão sistemática da literatura. CoDAS [online]. 2014, vol.26, n.5, pp.350-356. ISSN 2317-1782.  https://doi.org/10.1590/2317-1782/20142014070.

Objetivo:

Este artigo tem como objetivo realizar uma revisão sistemática da produção bibliográfica relacionada aos fatores de risco para o desenvolvimento adequado da linguagem oral em crianças.

Estratégia de pesquisa:

Utilizaram-se os termos "child language", "risk factors" e "randomized controlled trial" nas bases de dados MEDLINE (acessado via PubMed), LILACS, Biblioteca Cochrane e SciELO, durante o período de janeiro de 1980 a fevereiro de 2014.

Critérios de seleção:

Foram incluídos ensaios controlados randomizados que envolvessem o estudo de algum fator de risco relacionado à linguagem de crianças. Foram excluídos trabalhos com indivíduos que não tivessem entre 0 e 12 anos e apresentassem definição não confiável de fator de risco.

Análise dos dados:

Os achados da pesquisa foram classificados de acordo com o tema investigado e os aspectos metodológicos categorizados.

Resultados:

Observou-se a inexistência de algum tipo de lista padronizada de fatores de risco para a linguagem disponível aos profssionais da saúde. O principal fator de risco apontado foi a dinâmica familiar, seguido da interação com os pais, o ambiente social imediato e o estímulo dado à criança nos primeiros anos de vida. Observou-se também que os riscos orgânicos, como lesão cerebral, otite média persistente e cirurgia cardíaca, além do tipo de alimentação e aconselhamento parental, podem estar relacionados aos transtornos de linguagem.

Conclusão:

São necessários mais ensaios clínicos controlados randomizados envolvendo a verificação dos fatores de risco para a linguagem em crianças e a criação de mais estudos envolvendo crianças acima dos 6 anos de idade e do sexo masculino.

Palavras-chave : Linguagem Infantil; Transtornos do Desenvolvimento da; Linguagem; Ensaio Clínico Controlado Aleatório; Estudos de Linguagem.

        · resumo em Inglês     · texto em Português | Inglês     · Português ( pdf ) | Inglês ( pdf )