SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.30 issue4Augmentative and Alternative Communication use: family and professionals’ perceptions of facilitators and barriersPerformance of Brazilian Portuguese speakers in the Test of Narrative Language (TNL) author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


CoDAS

On-line version ISSN 2317-1782

Abstract

RECHIA, Inaê Costa et al. Maturação auditiva e risco psíquico no primeiro ano de vida. CoDAS [online]. 2018, vol.30, n.4, e20170142.  Epub July 19, 2018. ISSN 2317-1782.  https://doi.org/10.1590/2317-1782/20182017142.

Objetivo

Avaliar a associação entre risco psíquico e maturação da via auditiva.

Método

Neste estudo de coorte longitudinal, 54 crianças ouvintes (31 sem risco e 23 em risco psíquico) de 1 a 12 meses foram avaliadas. Todas foram submetidas à avaliação da maturação auditiva através dos Potenciais Evocados Auditivos Corticais. O risco psíquico foi avaliado com os Indicadores de Risco de Desenvolvimento Infantil (IRDI) e Sinais PREAUT. Uma variedade de métodos estatísticos foi utilizada para análise de resultados.

Resultados

A análise das latências de P1 e N1 mostraram respostas similares entre os grupos. Diferenças estatisticamente significantes entre os grupos foram observadas somente para as variáveis latência e amplitude de N1 no primeiro mês. A maturação auditiva foi significante nos dois grupos (p<0,05). Houve correlação moderada entre latência de P1 e a fase II dos IRDI, demonstrando que crianças com maior latência aos 12 meses apresentaram maior probabilidade de exibir a ausência desses indicadores na Fase II, estando em maior risco psíquico. A fase II dos IRDI também teve correlação moderada com as latências de P1 e N1 aos 6 meses e latências de N1 ao 1 mês; novamente, crianças com latência mais longa estavam em maior risco.

Conclusão

A menor maturação auditiva correlacionou-se com a presença de risco psíquico. Problemas na relação mãe-filho durante os primeiros 6 meses de vida são prejudiciais não apenas ao desenvolvimento cognitivo, mas também à audição. Um relacionamento frágil pode refletir diminuição da estimulação auditiva e linguística.

Keywords : Percepção Auditiva; Criança; Indicador de Risco; Potencial Evocado; Maturação.

        · abstract in English     · text in English     · English ( pdf )