SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.41 número1Aspectos biogeomorfológicos do Atol das Rocas, Atlântico Sul EquatorialCavas históricas de ouro do Jaraguá: o que resta para se preservar? índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Brazilian Journal of Geology

versão impressa ISSN 2317-4889versão On-line ISSN 2317-4692

Resumo

SANTOS, Thais Borba et al. Registro da deformação pós-paleozóica na Bacia do Amazonas, região de Itaituba (PA). Braz. J. Geol. [online]. 2011, vol.41, n.1, pp.95-107. ISSN 2317-4889.  http://dx.doi.org/10.25249/0375-7536.201141195107.

A Bacia do Amazonas compreende uma área de aproximadamente 500.000 km2 abrangendo parte dos estados do Pará e Amazonas. A região estudada localiza-se na porção sudoeste da bacia, próximo à cidade de Itaituba (PA), e contém rochas da cobertura sedimentar fanerozóica e do embasamento aflorante na Província Amazônia-Central. A análise estrutural multiescala consistiu da integração da análise de imagens (interpretação de lineamentos em imagens SRTM, com auxílio de dados aeromagnetométricos) e dados de campo para determinação do arcabouço estrutural e caracterização das fases de deformação pós-paleozóicas locais. A partir dos dados das falhas e sistemas de juntas, zonas de cisalhamento, estrias e steps descritos foram realizadas análises estruturais descritivas e cinemáticas. A aplicação de métodos para determinação de paleotensão permitiu estabelecer diferentes direções de esforços compressivos e distensivos. Os resultados indicam pelo menos três fases de deformação atuantes a partir do fnal do Paleozóico. A primeira fase (F1) apresenta cinemática destral e posição das principais estruturas N60-70E. A tensão máxima (σ1) é compatível com sua deformação compressiva, embora ainda em contexto transcorrente e pode ser relacionada às orogenias responsáveis pela formação do Pangea ao fnal do Permiano. A fase F2 caracterizada pela presença de falhas normais de direção NE coincide com a direção geral dos diques cartografados na região e, provavelmente, tem ligação com o magmatismo Penatecaua de idade Jurássica. A fase F3 está relacionada a um sistema conjugado composto pelas estruturas N50-70W (sinistral) e N60-70E (destral) com direção de σ1 E-W. Somente esta fase parece ter afetado rochas cenozóicas e, possivelmente, corresponde à propagação de tensões da subducção na região dos Andes.

Palavras-chave : Bacia do Amazonas; análise estrutural; Paleozóico.

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · Português ( pdf )