SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.44 número3Influência de estruturas brasilianas na sismicidade desencadeada por reservatório na Usina Hidrelétrica de Irapé, Minas Gerais, BrasilGeologia, petrologia, geocronologia U-Pb (shrimp) do Granito Morrinhos -terreno Paraguá, SW do Cráton Amazônico: implicações sobre a evolução magmática da orogenia san ignácio índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Brazilian Journal of Geology

versão impressa ISSN 2317-4889

Resumo

VINAGRE, Rodrigo; TROUW, Rudolph Allard Johannes; MENDES, Julio Cezar  e  LUDKA, Isabel. Química mineral e geotermobarometria do Batólito Serra da Água Limpa, Nappe Socorro-Guaxupé, Faixa Brasília Meridional, Sudeste do Brasil. Braz. J. Geol. [online]. 2014, vol.44, n.3, pp.387-414. ISSN 2317-4889.  https://doi.org/10.5327/Z2317-4889201400030005.

O Batólito Serra da Água Limpa, divisa dos estados de Minas Gerais e São Paulo, está relacionado ao arco magmático da margem ativa do paleocontinente Paranapanema, Faixa Brasília Meridional. Nele ocorrem feições ígneas preservadas e litotipos com foliação tectônica. Aqui são apresentados dados de química mineral, com objetivo de inferir condições de pressão e temperatura reinantes durante e depois da cristalização do batólito. Foram analisados cristais de plagioclásio, anfibólio, biotita e microclina. Temperaturas de cristalização calculadas pelo método de saturação de zircônio em rocha total situam-se entre 863 e 1015ºC. O cálculo da pressão mostrou valores que variam entre 5 e 6 kbar. Já o cálculo da temperatura apresentou valores distintos ao serem utilizadas análises de núcleos e bordas do anfibólio e do plagioclásio: núcleos com temperaturas mais elevadas de formação, 830 - 860ºC, e bordas com temperaturas entre 740 - 770ºC. Logo, existem três hipóteses: (A) os valores de temperatura mais altos, obtidos nos núcleos de anfibólio e plagioclásio (830 - 860ºC), estariam relacionados à cristalização magmática, enquanto que os obtidos nas bordas (740 - 770ºC), estariam associados ao posterior metamorfismo colisional; (B) tanto os núcleos como as bordas dos cristais são produtos do metamorfismo colisional, com ápice entre 830 - 860ºC e retrometamorfismo entre 740 - 770ºC; e (C) os núcleos e bordas dos cristais de anfibólio e plagioclásio mantiveram suas composições ígneas pré-colisionais preservadas, refletindo o processo de cristalização e consolidação magmática. A primeira hipótese parece a mais provável porque é mais consistente com os dados publicados para a região.

Palavras-chave : arco magmático; cristalização ígnea; metamorfismo colisional.

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · Português ( pdf )