SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.47 número2Geoquímica e proveniência sedimentar da Formação Uberaba (sudeste do Triângulo Mineiro, MG)Assembleia de bivalves permianos de Tiaraju, Grupo Passa Dois, sul do Brasil: significado bioestratigráfico e paleobiogeográfico índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Brazilian Journal of Geology

versão impressa ISSN 2317-4889versão On-line ISSN 2317-4692

Resumo

ROSA, Maria Luiza Correa da Camara et al. Sequências deposicionais de alta frequência no Quaternário da Bacia de Pelotas (planície costeira): registro de empilhamento degradacional em função de queda do nível de base em longo período. Braz. J. Geol. [online]. 2017, vol.47, n.2, pp.183-207. ISSN 2317-4889.  http://dx.doi.org/10.1590/2317-4889201720160138.

O objetivo deste trabalho foi analisar o registro sedimentar da Bacia de Pelotas, contextualizando-o em escalas temporais e espaciais e propondo um arcabouço estratigráfico hierarquizado. A planície costeira, localizada no Sul do Brasil e Norte do Uruguai, é principalmente formada por quatro sistemas deposicionais do tipo laguna-barreira. Os três sistemas mais jovens foram estudados por meio da integração de dados de superfície e de subsuperfície (mapeamento geomorfológico e topográfico, descrição de afloramentos, geoprocessamento, datações e registros de georradar) e interpretados como a porção costeira, preservada, de sequências deposicionais controladas principalmente por ciclos glacioeustáticos da ordem de 100 ka. O padrão de empilhamento das três sequências, em conjunto, é progradacional com altitudes mais baixas no sentido do oceano (máximos níveis do mar medidos: 9,5, 8 e 3 m, respectivamente), correspondendo a um conjunto de sequências degradacionais, ou ao trato de sistemas regressivos/nível em queda de uma sequência de maior ordem, identificada em seções sísmicas, com aproximadamente 0,5 Ma. A sequência mais jovem possui tratos de sistemas diácronos - enquanto alguns setores já possuem o registro do trato de sistemas de nível alto/em queda, outros ainda se encontram em contexto transgressivo. Isso indica que nesse tempo e escala o nível do mar não representa o principal controle da evolução costeira, e fatores autogênicos são fundamentais no desenvolvimento do registro geológico.

Palavras-chave : Laguna-Barreira; glacioeustasia; diacronismo dos tratos de sistemas; georradar; evolução costeira do Rio Grande do Sul.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )