SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.47 número2Aquisição gravimétrica e modelagem da morfologia do embasamento na caracterização da espessura sedimentar, porção NE da Bacia Sedimentar do Paraná - BrasilEvolução riaciana no leste do Cráton São Luís: petrografia, geoquímica e geocronologia da Suíte Rosário índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Brazilian Journal of Geology

versão impressa ISSN 2317-4889versão On-line ISSN 2317-4692

Resumo

ALCANTARA, Davi da Costa Bezerra Gobira de et al. Estratigrafia, tectônica e geocronologia U-Pb (LA-ICP-MS) em zircão detrítico da faixa Rio Preto e porção norte do corredor do Paramirim, NE, Brasil. Braz. J. Geol. [online]. 2017, vol.47, n.2, pp.261-273. ISSN 2317-4889.  http://dx.doi.org/10.1590/2317-4889201720160102.

Duas importantes sequências metassedimentares proterozoicas ocorrem ao longo da margem noroeste do Cráton do São Francisco e a porção setentrional do Corredor do Paramirim, os grupos Rio Preto e Santo Onofre, respectivamente. O Grupo Rio Preto, que constitui a faixa homônima situada no limite noroeste cratônico, é composto pelas formações Formosa (xisto granatífero, quartzo-mica xisto, quartzito, clorita-sericita xisto e quartzo xisto ferrífero) e Canabravinha (quartzito, quartzito micáceo, metaritmito, filito, xisto e metaturbidito). O Grupo Santo Onofre ocorre exclusivamente na região do Corredor do Paramirim, e é composto por quartzitos e subordinadamente filitos sericíticos, carbonosos ou manganesíferos. As duas unidades estratigráficas registram a sedimentação associada a um ambiente marinho raso a profundo, e são interpretadas como bacias rift invertidas e metamorfisadas na fácies xisto verde durante a orogênese brasiliana. Neste artigo apresentamos 427 idades U-Pb em zircões detríticos para essas unidades. Os novos dados apresentaram idades máximas de deposição de 912 Ma para Formação Canabravinha, 965 Ma para a Formação Formosa e 971 Ma para o Grupo Santo Onofre. Portanto, é sugerida a existência de duas bacias rift neoproterozoicas formadas pelos Grupos Rio Preto e Santo Onofre. O Grupo Santo Onofre, predominantemente psamítico, representaria um ambiente marinho raso plataformal relativamente estável. O Grupo Rio Preto, com diamictito, quartzito, pelito e ritmito, representaria um ambiente marinho raso a profundo associado a fluxos gravitacionais. Ambos os grupos teriam sido depositados no Toniano tardio, e são possivelmente correlacionados com as unidades inferiores (pré-glaciais) do Grupo Macaúbas, localizado na Faixa Araçuaí.

Palavras-chave : Geocronologia U-Pb em zircão detrítico; orogênese brasiliana; proveniência sedimentar; Faixa Rio Preto; Corredor do Paramirim.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )